Redução em valor da gasolina nas refinarias não chega a todas as bombas

Nesta quinta (25), os preços do litro da gasolina e do óleo diesel ficaram R$ 0,11 mais baratos nas refinarias da Petrobras. Com isso, o litro da gasolina está sendo vendido a R$ 2,59 para as distribuidoras (uma queda de 4,1%). Mas consulta revela que custo do litro cobrado nos postos continua praticamente o mesmo

Os motoristas de Guarapuava ainda não sentiram a queda no valor da gasolina comum. Nesta quinta-feira (25), os preços do litro da gasolina e do óleo diesel ficaram R$ 0,11 mais baratos nas refinarias da Petrobras. Com isso, o litro da gasolina está sendo vendido a R$ 2,59 para as distribuidoras (uma queda de 4,1%).

Já o óleo diesel está sendo comercializado nas refinarias pelo valor de R$ 2,75 por litro (uma queda de 3,8% no preço anterior). A redução dos combustíveis está ligada ao valor do dólar e do barril de petróleo, que caiu 7,3% na última semana.

A Petrobras ressalta que o valor do combustível para os consumidores finais ainda sofre a influência de tributos, da adição obrigatória dos biocombustíveis e da margem de lucro das distribuidoras e postos.

No maior município do terceiro planalto paranaense, a gasolina estava com o mesmo preço de quarta-feira (24), antes da redução nas refinarias. Segundo o aplicativo Menor Preço (do Nota Paraná), consultado pelo CORREIO, até o início da tarde desta quinta (25) os valores na bomba variavam entre R$ 5,30/litro (mais barato), posto bandeira branca, e R$ 5,65/litro (mais caro), posto bandeirado.

É um cenário semelhante a quarta-feira, quando pesquisa da reportagem constatou que o litro do combustível derivado do petróleo mais barato girava na faixa de R$ 5,30 em estabelecimentos da chamada bandeira branca; já o mais caro em R$ 5,80, bandeirado. Ou seja, o preço se manteve o mesmo na faixa mais em conta e reduziu na outra ponta.

Em relação à média de valores, na quarta-feira (24) os condutores pagavam R$ 5,47 pela gasolina comum em Guarapuava, conforme levantamento junto ao Menor Preço.

Por sua vez, o início de tarde desta quinta-feira (25) apresentava um horizonte com gasolina custando em média R$ 5,46. É praticamente o mesmo valor de um dia antes. Isso revela que, até o início da tarde de hoje, uma possível redução na bomba ainda não havia chegado ao consumidor na “terra do lobo bravo”.

HISTÓRICO
Antes dessa redução, a Petrobras já havia anunciado a primeira queda no preço da gasolina no ano. A partir do sábado passado (20), o preço médio teve redução de R$ 0,14 centavos nas refinais. Assim, o valor caiu em média 5,1%, de R$ 2,84 por litro para R$ 2,70.

No entanto, esse combustível derivado de petróleo tem enfrentado sucessivas subidas nesse início de ano. A gasolina acumula alta de 40,8%, com pelo menos seis reajustes praticamente seguidos; e o diesel, de 36,1%.

Print de parte do comunicado do Paranapetro sobre o repasse da redução (Foto: Reprodução)

OUTRO LADO
Por meio de suas redes sociais, em postagem publicada às 14h16 desta quinta (25), o Paranapetro – Sindicato dos Revendedores de Combustíveis e Lojas de Conveniências do Estado do Paraná explica que os postos não compram os combustíveis diretamente das refinarias. “São obrigados a comprar das distribuidoras. Por isso, a redução nas bombas depende dos repasses das distribuidoras”.

Segundo o sindicato, até o início da tarde desta quinta a maioria das grandes distribuidoras não repassou as baixas para os postos na proporção anunciada pela Petrobras. “Informações disponíveis no mercado indicam que as distribuidoras repassaram apenas uma parte da redução esperada”.

Inclusive, o Paranapetro ressalta que as distribuidoras têm repassado as altas da Petrobras com grande rapidez para os postos, enquanto demoram mais para repassar as baixas, ou não repassam na totalidade.

***********Com informações da Ag. Brasil