Inovação como peça chave para o desenvolvimento de Guarapuava

O Celeiro de Inovação, atrelado ao Cilla Tech Park, à Prefeitura de Guarapuava, ao Sebrae, às universidades e a outras instituições têm feito da última geração o futuro da inovação e da tecnologia

A cidade de Guarapuava vem transformando a região em um polo de inovação e tecnologia. 

O Cilla Tech Park abriu as portas recentemente e já conta com diversos projetos que utilizam da estrutura física, materiais e apoio financeiro de instituições públicas, privadas e do terceiro setor para se desenvolver. 

O Celeiro de Inovação, que inicialmente era um projeto da Prefeitura, passou a fazer parte do Cilla Tech Park visando a integração. 

Em um primeiro momento, o Celeiro era um local de atividades; agora, a ideia é que seja um local de desenvolvimento de projetos onde os guarapuavanos possam apresentar ideias inovadoras e receber o apoio de todos os parceiros.

“A comunicação é muito livre e muito espontânea. Então, as coisas acabam acontecendo. É alguém, que conhece alguém, que pode solucionar o problema de alguém. Por mais que o Cilla tenha uma ideia, sempre tem parcerias envolvidas para apoiar e executar os projetos”, explica a diretora do Celeiro de Inovação, Isabela Queiroz, sobre como os projetos costumam ser desenvolvidos no Parque de Inovação. 

Alguns dos projetos desenvolvidos pela união dessas instituições foram a Jornada da Ideia, onde o objeto principal era trazer meninas que olhassem a pandemia da Covid-19 como uma solução e não uma problemática; o Capacita Guarapuava, em parceria com a Associação Comercial e Empresarial de Guarapuava (Acig) e com o Núcleo de Tecnologia e Inovação (NTI), que visa a busca pela capacitação de pessoas para o mercado de trabalho, pegando alunos no Ensino Médio, capacitando e dando oportunidades de estágio; o Inova Park, uma iniciativa da Prefeitura de Guarapuava para incubar startups no Cilla, e o Acampamento das Meninas, que trouxe três jovens do município de Pinhão para um intensivo em tecnologia e inovação, para que elas desenvolvessem um projeto para a Samsung. 

Diversos outros projetos já foram desenvolvidos e outros ainda estão por vir, transformando o projeto de Guarapuava 2035 em realidade. 

A união de inovação, tecnologia e empreendedorismo deu origem ao programa Emprime, outro projeto que reúne Prefeitura, Cilla, Sebrae e outras instituições para simplificar o processo de aplicação de um novo projeto. 

GERAÇÃO Z  

Não dá para falar de inovação e tecnologia e não falar da importância da última geração para o desenvolvimento desses projetos. A iniciativa de incluir alunos das redes municipais, estaduais e particulares dos ensinos é, possivelmente, o ponto chave para que o projeto Guarapuava 2035 avance. 

Assim como enfatizou a diretora do Celeiro de Inovação ao comentar sobre como as ideias dessas crianças e adolescentes trazem uma nova perspectiva à inovação. 

“São esses nossos alunos desde a base, da rede municipal, do ensino fundamental 2, que tem hoje 10, 15 anos, que serão o futuro de Guarapuava 2035. Pensando em projetos para que eles sejam crianças e adolescentes mais autônomos, mais maduros em suas decisões, é esse o papel do Cilla”, diz. “Conectar as pessoas, conectar esses alunos, fomentar neles esse olhar, esse outro caminho de possibilidades para que eles sejam pessoas mais capacitadas, valorizando o talento humano, que eles tenham esse elo empreendedor para que a gente possa colher os frutos mais pra frente”.

Para ir além, o Cilla, em parceria com as escolas municipais e estaduais, propôs um concurso de redação e de vídeos no aplicativo Tik Tok, perguntando a esses jovens alunos o que eles esperam da educação em Guarapuava 2035, para que mostrem suas perspectivas e possam visualizar um leque de possibilidades e outros caminhos para seguir após a conclusão dos estudos.