O rosto por trás de Iceman: a história do ator Val Kilmer

Disponível para assinantes da Amazon Prime Video, “Val” é um documentário de uma franqueza absurda ao repassar a vida do ator norte-americano Val Kilmer, famoso pelos papéis de coadjuvante em filmes como “Top Gun – Ases Indomáveis” e o protagonista de “Batman eternamente”

Você provavelmente já topou com Val Kilmer.

Este ator norte-americano já foi Iceman em “Top Gun – Ases Indomáveis” (1986), Jim Morrison em “The Doors: O mito de uma geração” (1991), Batman em “Batman eternamente” (1995), Chris Shiherlis em “Fogo contra Fogo” (1995), Montgomery em “A Ilha do Dr. Moreau” (1996), entre tantos filmes.

Com uma carreira inconstante em Hollywood, Kilmer sempre viveu à sombra de outros atores, com papéis predominantemente de coadjuvantes. Esforço não lhe faltava. Mas foram poucos e raros os momentos de seu lugar ao sol.

Claro, a fama fez de Val Kilmer um rosto conhecido e idolatrado pelos fãs, graças aos personagens Iceman (nêmesis de Maverick, o mocinho vivido por Tom Cruise) e Batman. Mas parece que sempre faltou alguma coisa ao ator. Mesmo quando foi protagonista, caso do morcegão, o negócio não andou bem.

Nesse sentido, o documentário “Val” (2021) joga um pouco de luz na trajetória errante de Kilmer. Com direção de Leo Scott e Ting Poo, esse filme é coproduzido pelo próprio protagonista e tem a chancela da Amazon Studios. Não por sinal, está disponível de maneira exclusiva na plataforma de streaming Amazon Prime Video.

Com entrevistas no presente da narrativa, o documentário se estrutura a partir de dezenas de milhares de fitas feitas por Kilmer ao longo de sua vida. Desde a infância, ele e os irmãos tinham o costume de registrar quase tudo, indo de assuntos domésticos a sets de filmagem. Inclusive, uma das cenas de “Val” apresenta o depósito onde o ator mantém esse material arquivado.

Em ordem cronológica, entrecortada por cenas do presente, o longa-metragem de Scott e Poo conta a vida íntima e profissional de seu protagonista, um cara que queria se encontrar na dramaturgia. Sempre em busca do perfeccionismo em cena. A narrativa em primeira pessoa é feita pelo filho, Jack Kilmer.

No entanto, o documentário passa longe de construir uma imagem edificante de Val Kilmer. É de uma franqueza absurda ao revelar erros, acertos e frustrações de um ator galã escalado para o papel de bad boy em algumas produções; mas quase sempre como coadjuvante.

Entre os momentos difíceis do passado, Val revela que foi preterido numa peça teatral (perdeu espaço para Kevin Bacon e Sean Penn, em início de carreira); do sonho ao pesadelo quando encarnou Batman, seu herói da infância; a decepção de contracenar com Marlon Brando, seu ídolo; as tentativas fracassadas de ganhar o papel em filmes de Stanley Kubrick e Martin Scorsese; a fama ruim de perfeccionista.

Encarnar Batman era a realização de um sonho de criança, mas virou um pesadelo (Foto: Divulgação)

MARK TWAIN
Frustrado com o cinema, Val Kilmer tem a chance de fazer o papel de sua vida no teatro. Ele trabalhou durante dez anos no roteiro de uma peça baseada em Mark Twain (1835-1910), famoso escritor norte-americano por trás de livros como “As aventuras de Tom Sawyer” e “As aventuras de Huckleberry Finn”.

Mais do que isso, Val encarnou Twain numa mistura de stand up e monólogo que correu os Estados Unidos nos anos de 2010 (“Citizen Twain”), dando o merecido reconhecimento para o ator. O documentário mostra todo esse processo de trabalho.

Porém, quando as coisas pareciam se encaixar, Val descobre um câncer de garganta. No presente da narrativa, o filme de Leo Scott e Ting Poo costura depoimentos e a vida atual de Val com as sequelas do tratamento. A mais grave delas é a destruição de sua voz e as dificuldades de saúde do dia a dia, enterrando a carreira como ator.

Por outro lado, a vida do protagonista se encontra na pintura, no relacionamento com os filhos e nas viagens pelo país em feiras de cultura pop.

De maneira geral, não é um filme para qualquer espectador. Exige sensibilidade e estômago forte.

Val encarnou Mark Twain numa mistura de stand up e monólogo (Foto: Divulgação)

FILMOGRAFIA
Em tempo, a filmografia de Val Kilmer está disponível nos principais serviços de streaming. A Netflix e o Telecine Play, por exemplo, têm à disposição de seus assinantes “Top Gun”, um clássico da Sessão da Tarde; já a Prime Video, o policial “Fogo contra Fogo” (com Robert De Niro e Al Pacino no elenco).

*************Texto: Cris Nascimento, especial para CORREIO

Documentário está disponível no serviço de streaming Amazon Prime Video