Sabores do Paraná contam ao mundo a história da nossa terra

Pratos e festas típicas de várias regiões paranaenses foram oficializados em leis estaduais que valorizam a cultura da nossa terra

Quando se pensa na descida ao litoral pela Estrada da Graciosa, além do correr das águas do Rio Nhundiaquara passando por debaixo da Ponte de Ferro, a vista da baía de Antonina e o azul das hortênsias em flor, vem à cabeça a lembrança de um prato que é a cara do nosso estado: o barreado.

Com mais de 200 anos de tradição, em histórias de sua origem contadas por gerações, o barreado tem até uma formalidade para sacramentar que ele é o mais paranaense dos pratos litorâneos. Criada na Assembleia Legislativa do Paraná, a Lei 16.054 de 2009 o oficializa como prato típico do estado.

Mas não apenas a região banhada pelo Oceano Atlântico é agraciada com títulos que atestam a qualidade de sua culinária. Do outro lado do mapa, em Campo Mourão, desde os anos 1990 se promove a Festa Nacional do Carneiro no Buraco, parte do Calendário Oficial de Eventos do Estado. Também tem uma lei própria, a 19.882/2019.

O hábito de cozinhar a carne sobre brasa em buracos no chão teria sido ensinado a jesuítas por indígenas que habitavam o lugar. A explicação é que assim era mais fácil controlar o fogo e evitar incêndios nas matas. Desde 1991, no segundo domingo de julho, o evento atrai gente de todo Brasil à cidade.

E o pinhão, talvez a mais paranaense das nossas iguarias? Ele está na Festa do Pinhão de Inácio Martins (Lei 20.313/2020); na Lei 18.961/2017 que enaltece a Festa da Sopa de Pinhão, um evento promovido por jipeiros de Curitiba; e na Festa do Leitão no Forno Recheado com Pinhão.

Nesta última (Lei 17.457/2013), no aniversário da emancipação política de Clevelândia, no Sudoeste, tem até concurso para escolher entre a população quem faz o melhor leitão com o recheio. Milhares de pessoas vão à cidade todos os anos na semana de 28 de julho para almoços, shows e feiras.

Esta é uma pequena amostra das riquezas da culinária paranaenses, com sabores de produtos que nasceram aqui ou foram trazidos de culturas distantes. Tudo incorporado ao nosso jeito, do modo como os paranaenses construíram a sua história e com o sabor da nossa terra.

***Assessoria/Alep