Demora em tratar fratura de fêmur, comum durante a pandemia, traz complicações à saúde dos idosos

Frequente em idosos, a fragilidade óssea, ou osteoporose, pode ser evitada e tratada com medidas preventivas, em especial atividades físicas e adequação do metabolismo ósseo no organismo

Neste ano, um fato chamou a atenção da equipe do Pilar Hospital. Idosos chegavam ao atendimento com fratura de fêmur ocorrida há muitos dias, até mesmo uma semana. Este é um caso de emergência médica, mas devido à pandemia, os pacientes não procuraram o atendimento logo após o ocorrido.

“Notamos que na pandemia as pessoas ficaram com muito medo de sair, de se expor. Elas acabavam chegando ao hospital quando já não estavam aguentando tanta dor”, relata Dr. Luiz Renato Brand, médico ortopedista especializado em trauma ortopédico e em cirurgia de reconstrução de quadril e de joelho do Pilar Hospital.

É importante que as pessoas procurem por esse atendimento, mesmo na época da pandemia. O Pilar Hospital tem um ambiente exclusivo para o tratamento de pessoas com Covid-19 e outro específico para outras patologias.

A fratura de fêmur por fragilidade (que geralmente ocorre na região superior do osso, conhecida como fêmur proximal) necessita de uma intervenção cirúrgica na maioria dos casos, em caráter de urgência médica. Uma pessoa com este osso fraturado há dias pode ter uma série de complicações, como pneumonia, alguns tipos de trombose, coágulos e escaras de pressão (feridas que aparecem na pele de pessoas que permanecem muito tempo na mesma posição), além de dores intensas.

“Quanto mais rápido a equipe médica age, melhores as chances de não haver complicações. Muitas vezes o paciente é operado no mesmo dia em que ele dá entrada no hospital, ou no dia seguinte. Sempre com o objetivo de que o paciente volte a andar o mais breve possível. Quanto mais tempo de espera para operar, a incidência de complicações pode ocorrer de forma muito rápida”, alerta o médico.

Segundo Dr. Luiz Renato, a fratura de fêmur ocorre em idosos com fragilidade óssea (osteoporose) podendo ser essa a causa de uma queda. “A falta crônica de vitamina D muda o metabolismo da parte óssea, pois em níveis muito baixos não ocorre adequadamente a impregnação do cálcio nos ossos”, explica. A fragilidade óssea tem maior incidência em mulheres acima de 60 anos. No homem, começa a ser mais frequente acima dos 75 anos.

Somada à osteoporose, há fatores que propiciam o desequilíbrio de um indivíduo, para que ocorra uma queda. “Infelizmente, as pessoas de mais idade não se hidratam com tanta frequência devido a uma diminuição do reflexo da sede. A redução da hidratação leva a uma diminuição da oxigenação do cérebro, ou hipóxia cerebral. Isso pode provocar falta de equilíbrio e acarretar em tonturas e quedas”, explica o Dr. Luiz Renato. Outro fator é a sarcopenia, que é a perda de massa muscular, sendo também uma das causas da falta de equilíbrio.

Os dois principais fatores de prevenção são: atividade física específica para cada pessoa e adequação do metabolismo ósseo por meio de uma consulta médica, sendo investigado através de exames laboratoriais específicos e exames de imagem. Assim podem ser tomadas medidas para regulação ideal desse metabolismo. “A vitamina D não pode ser tomada em jejum. Ela é lipossolúvel, portanto, precisa ser ingerida com gordura para ser absorvida. Além disso, é ativada com exposição solar. Com atividade física e exposição solar, você cria um ambiente favorável a não desenvolver a fragilidade óssea”, explica o médico.

No Pilar Hospital, um idoso com o fêmur fraturado passará pelo pronto atendimento, onde será feito o diagnóstico da fratura e uma avaliação clínica pré-operatória, para que em um segundo momento seja encaminhado ao serviço de ortopedia e para programação cirúrgica. É necessário que ele tenha estabilidade clínica (sem outras complicações além da fratura) para que esteja apto à cirurgia. Além de tudo isso, o hospital segue um protocolo de ação rápida para atendimento do idoso.