Com o outono, doenças e infecções respiratórias ocorrem com mais frequência

Doenças comuns no inverno que afetam as vias aéreas podem ser confundidas com sintomas de coronavírus

As alterações climáticas que acompanham a chegada de estações mais frias como o outono, iniciado em 20 de março, predispõem as pessoas a contrair diversas doenças e infecções respiratórias.

Segundo o Dr. Ruy Fernando, cirurgião especialista em oncologia torácica do Pilar Hospital, a rinite alérgica, a asma e a doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) são as mais frequentes no Brasil de uma forma geral. Nas estações frias, somam-se a essas doenças a incidência maior de infecções respiratórias (resfriado, gripe, pneumonia, sinusite), além de descompensação da rinite.

Esse panorama varia de acordo com as regiões do Brasil, segundo aponta o médico. “A maior prevalência de doenças respiratórias se encontra no Sul, onde o inverno é mais rigoroso. Temperaturas mais baixas associadas com baixa umidade relativa do ar são consideradas fatores de risco para o funcionamento adequado do aparelho respiratório”, aponta.

Para que as pessoas possam se prevenir, Dr. Ruy Fernando recomenda evitar ambientes fechados e sem circulação de ar, lavar as mãos, proteger a boca ao tossir, manter a hidratação e a alimentação saudável, vacinar-se anualmente contra a gripe, evitar acúmulo de poeira nos ambientes e não compartilhar objetos pessoais.

Em meio à pandemia, é importante lembrar que doenças respiratórias comuns das estações frias podem ser confundidas com sintomas de coronavírus. “Os sintomas são muito semelhantes. Devido à pandemia, no início dos sintomas o ideal é manter o isolamento das outras pessoas que moram na mesma casa, procurar assistência médica para coleta do RT-PCR SARS-CoV-2 e seguir as orientações médicas”, afirma Dr. Ruy Fernando.

Ainda em relação à covid-19, o médico informa que, pela literatura médica, determinadas doenças respiratórias podem ser consideradas como fatores de risco para complicações pela covid-19. Entre elas estão a doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), asma grave (em pacientes que ingerem altas doses de corticoides inalatórios ou fazem uso continuo de corticoide sistêmico), fibrose pulmonar, bronquiectasias, doenças pulmonares intersticiais, fibrose cística e hipertensão arterial pulmonar.

O Pilar Hospital conta com uma equipe completa de profissionais para atendimento de pacientes com doenças respiratórias, não somente da área clínica, mas também na enfermagem, psicologia, fonoaudiologia e fisioterapia. “Todos são muito competentes, não houve falta de mão de obra mesmo diante da epidemia”, afirma Dr. Ruy Fernando, que também comenta sobre a estrutura do setor. “Estamos alocados em uma acomodação impecável. Além disso, a instituição renovou muito seu parque tecnológico neste último ano, tanto cirúrgico como diagnóstico”.