Ação promovida por estudantes chama atenção para o combate à violência

Na manhã desta terça-feira (23), os alunos do Colégio Adventista realizaram uma “blitz” distribuindo panfletos aos motoristas que passavam pela avenida Moacir Júlio Silvestre

Na manhã desta terça-feira (23), os alunos do ensino médio do Colégio Adventista realizaram uma “blitz” em frente à sede da Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres, na avenida Moacir Júlio Silvestre. Os panfletos distribuídos aos motoristas, além de apresentarem os canais de denúncia para vítimas de violência, alertam sobre a corresponsabilidade da sociedade no bem-estar de grupos vulneráveis. 

A secretária de Políticas Públicas para Mulheres, Priscila Schran, ressaltou que esse trabalho é primordial e estratégico.  

“Já na juventude, a gente precisa ter a compreensão de que nós estamos construindo relacionamentos saudáveis. Que mesmo no namoro não pode haver um relacionamento abusivo, que eles e elas, adolescentes, podem ter seus sonhos realizados, sem correr o risco de ter alguém que fique cerceando as suas vontades. E é um compromisso também, deles próprios, para construir uma cidade com equidade”, afirmou a secretária.

A Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres atua para integração das ações com diferentes esferas da sociedade. Durante essa semana, a equipe participa da campanha “Quebrando o Silêncio”, realizada há quase 20 anos pelo colégio.

Foto: Secom

Em 2021, a ação visa abordar a proteção da família, com foco no combate à violência contra mulheres, crianças e idosos, agravada no cenário pandêmico. “Nós entendemos que tudo é educação, tudo é prevenção. E é muito importante movimentarmos a comunidade e também os alunos. Nós queremos alertar a toda sociedade que precisamos quebrar o silêncio”, destacou o diretor do colégio, Cristiano Rank.  

As atividades de conscientização também ocorrem no ambiente escolar. Nesta terça-feira (24), será feita uma live direcionada aos pais e mães de alunos do colégio. Já na quinta-feira (26), a equipe do Centro de Referência e Atendimento à Mulher em situação de violência (Cram), terá uma conversa com os estudantes. 

A vereadora Bruna Spitzner, que também estava presente durante a ação, lembrou a importância da presença da sociedade e da juventude em ações como essa. “Desde a educação de base, é primordial que eles estejam incluídos, para entenderem sobre o respeito à vida da mulher, da criança, do idoso. E também para instigar essas meninas a soltarem a sua voz e buscarem seu espaço na sociedade”, destacou. 

************Informações da Secretaria de Comunicação (Secom)