‘É uma grande operação que está ocorrendo também na nossa região’, diz Cubas

A operação de nível estadual tem o objetivo de fiscalizar ações criminosas através de abordagens e garantir o cumprimento do decreto estadual

A operação “Pronta Resposta” é uma articulação do 16º Batalhão de Polícia Militar de Guarapuava em conjunto com o Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), a Patrulha Rural e a Rotam.

Esta ação é desenvolvida pelo comando geral da Polícia Militar do estado do Paraná com vários pontos sedes. Um dos principais pontos sedes desta operação é a do 16º Batalhão de Polícia Militar de Guarapuava.

Em entrevista ao CORREIO, o comandante do batalhão, major Cristiano M. Cubas de Lima, expressa a importância da ação. “É uma grande operação que está ocorrendo também na nossa região, que vem trazer esse alento e preocupação a nível de comando geral com a segurança pública do estado do Paraná”, salienta Cubas.

Na prática, a atuação desta colaboração policial é fiscalizar ações criminosas através de abordagem a veículos nas ruas, identificar indivíduos ligados aos crimes, bem como cobrar os protocolos referentes a não proliferação do vírus da Covid-19.

FURTOS E ROUBOS
A região de Guarapuava, que é sede da 7ª Área Integrada de Segurança Pública (Aisp), ligada a Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp), registrou queda nos índices de furtos e roubos ao longo do primeiro trimestre de 2021.

De acordo com o boletim estatístico divulgado pela Sesp na semana passada, houve redução de 20,31% nos crimes de furto e de 36,17% nos roubos consumados.

Sobre este cenário, Cubas avalia o desempenho da PM em Guarapuava. “Nós tivemos uma redução drástica aos crimes relacionados a homicídio, a furtos e roubos. Nós tivemos grandes apreensões contra o tráfico de drogas, tirando vários traficantes de circulação. Isso é um trabalho ostensivo operacional que o 16º BPM vem fazendo que tem surtido esse resultado”.

Objetivo é fiscalizar ações criminosas através de abordagem a veículos nas ruas, identificar indivíduos ligados aos crimes, bem como cobrar os protocolos referentes a não proliferação do vírus da Covid-19 (Foto: Carlitos Marinho/Correio)

FISCALIZAÇÃO
Mais de 400 óbitos foram registrados em Guarapuava em decorrência de infecção por Covid-19. Na tentativa de diminuir o contágio do vírus e reduzir a lotação de pacientes internados nos hospitais, a PM vem fiscalizando aglomerações clandestinas pela cidade.

Um dos objetivos desta operação é justamente fazer valer o decreto estadual e municipal de isolamento social. O major Cubas destaca a importância de aliar esta medida com o combate à criminalidade.

“Nós continuamos nas ruas, o nosso efetivo continua nas ruas. Por quê? Porque não é apenas a medida sanitária que nós combatemos, mas sim a criminalidade. Esta criminalidade não deixou de ocorrer em virtude da pandemia”, destaca Cubas.

*************Reportagem: Carlitos Marinho, especial para CORREIO