‘Vamos fazer um governo participativo e transparente’, diz Oscar Delgado

Em entrevista ao CORREIO, o prefeito de Santa Maria do Oeste fala sobre a situação atual do município, as primeiras ações à frente da Prefeitura e as prioridades da gestão

Eleito com 31,58% dos votos, o prefeito de Santa Maria do Oeste, Oscar Delgado (PT), assume o município com dívidas e com a atenção voltada para a Saúde em função da pandemia da Covid-19.

Em entrevista ao CORREIO, o chefe do Executivo fala sobre as dificuldades iniciais por falta de informações da gestão anterior, faz um balanço da primeira semana do mandato e comenta outros temas. 

Oscar Delgado pretende fazer um mandato pautado no planejamento, alinhado com os secretários escolhidos por ele e atendendo a partir das prioridades da cidade. 

“A gente está com muita expectativa, nós precisamos nos unir com a sociedade civil, uma união de todos os setores da Prefeitura, para que o município se desenvolva. Nosso município é carente, precisa de atendimento em diversas áreas”, destaca. 

DIFICULDADES

De acordo com Delgado, não houve uma transição entre os governos, o que garantiria um conhecimento prévio da situação do município. “Nós não tivemos nenhuma informação da administração anterior, então isso acabou dando alguma dificuldade para nós. Nós pegamos a prefeitura sem saber”, acrescenta. 

Ainda conforme o prefeito, o Ministério Público do Paraná (MP-PR) fez a orientação para que uma vistoria fosse realizada em todo o patrimônio público de Santa Maria. 

DÍVIDAS

Apesar desse impasse, Oscar reitera que a primeira semana tem sido de organização para o início dos trabalhos. Uma preocupação inicial é com o setor da Saúde devido às dívidas. 

“O município tem uma dívida nos consórcios, tanto de Pitanga quanto de Ivaiporã, e também uma dívida monstruosa no consórcio do Samu [Serviço de Atendimento Móvel de Urgência]. A gente já fez uma conversa lá e eles estão nos atendendo emergencialmente para que em breve a gente pague a dívida que existe nos consórcios de saúde”, explica. 

À reportagem, Oscar relata que, em um levantamento inicial, a nova administração identificou cerca de R$ 2 milhões em dívidas. São valores de folha de pagamento, consignados, além de salários de médicos e outros empenhos. “Nós estamos fazendo todos os levantamentos, fazendo a vistoria, trabalhando muito”, conta.

EMPREGO

O desemprego que atinge o Brasil afeta sobretudo as cidades do interior, e essa é uma das preocupações do prefeito. Incentivar a geração de vagas e fomentar setores fortes do município, como a agricultura, estão na pauta da nova gestão.

“Nós iremos apoiar muito a agricultura familiar, vamos atrair indústria, atrair quem quiser fazer investimento pro nosso município para que assim gere emprego para quem precisa. Então, nós estamos dispostos a trabalhar intensamente nesses quatro anos”, garante.

TRANSPARÊNCIA

A criação de um Conselho de Administração é um dos pontos para a implementação de um governo transparente, na visão de Delgado. 

Segundo ele, será um mandato com transparência total, de todos os gastos e arrecadações, através de mecanismos existentes e de outros que serão criados, como uma Central de Controle, por exemplo. “A gente vai fazer um governo participativo e transparente. Ouvirei muito a sociedade civil”, finaliza.

******Daiara Souza, especial para CORREIO