PPA dá uma ‘visão macro’ do município, diz secretário de Finanças

O Plano Plurianual (PPA) de 2022 a 2025 foi aprovado na última terça-feira (16) pela Câmara de Vereadores. Ao CORREIO, Diocesar Costa de Souza ressalta o potencial de crescimento de Guarapuava

O secretário de Finanças de Guarapuava, Diocesar Costa de Souza, ressaltou, em entrevista concedida ao CORREIO na quarta-feira (17), a importância da aprovação do Plano Plurianual (PPA) 2022-2025 pela Câmara de Vereadores. 

O Projeto de Lei (PL) n° 111/2021, de autoria do Executivo Municipal, foi analisado e votado na última terça-feira (16). Trata-se de um documento que estabelece os objetivos, diretrizes e metas da administração municipal. 

De acordo com o titular da pasta de Finanças, o PPA é fundamental porque apresenta ações para os próximos quatro anos. No seu ponto de vista, traz, de certa forma, uma visão marco do município de Guarapuava. 

“Para nós é importantíssimo, porque, no exercício de 2022, vamos ter noção de como direcionar nossos esforços, canalizando  recursos para que todas essas ações sejam concretizadas”, disse. 

ORÇAMENTO

De acordo com o texto apresentado pela Prefeitura, a estimativa é que o município tenha uma arrecadação da ordem de R$ 496,8 milhões em 2022, R$ 521,6 milhões, em 2023, R$ 547,7 milhões, em 2024, e R$ 575,1 milhões, em 2025. O total no período de vigência do PPA é superior a R$ 2,1 bilhões.

CRESCIMENTO

Segundo Diocesar, o crescimento orçamentário para os próximos anos é natural. Inclusive, para 2022, a previsão já consta na Lei Orçamentária Anual (LOA), que também será analisada e votada pelo Legislativo. 

“É natural esse crescimento, um acréscimo de 5% em média, mas o município de Guarapuava tem registrado um crescimento mais significativo que isso”, afirmou. “E o que isso demonstra? Demonstra que nosso município está sendo bem administrado, é um município pujante, que tem capacidade cada vez maior de investimento.”

Em meio ao crescimento da famosa “terra do lobo bravo”, o secretário afirma que é preciso canalizar “recursos para o bem-estar da nossa coletividade”.