Apenas três vereadores de Guarapuava têm intenção de disputar as eleições gerais em 2022

Levantamento do CORREIO consultou todos os 21 ocupantes de cadeiras na atual legislatura municipal, em Guarapuava

O cenário político para as eleições de 2022 começa a se agitar e as negociações entre políticos e partidos já estão alinhadas para o lançamento de pré-candidaturas, em especial, aos cargos de deputado estadual e federal.

Alguns nomes conhecidos do guarapuavano possivelmente estarão entre os concorrentes a uma vaga na Câmara Federal e na Assembleia Legislativa. Em contato com os vereadores de Guarapuava, o CORREIO apurou que ao menos três dos 21 edis poderão disputar o pleito deste ano.

Ocupante da bancada feminina, Professora Terezinha (PT) confirmou à reportagem que é pré-candidata a deputada federal. De acordo com ela, a decisão não parte de um desejo pessoal. “É uma definição de grupos de apoiadores do meu mandato. Mas que passa pelo Partido também”, comentou. O Partido dos Trabalhadores (PT) deve lançar também um candidato a deputado estadual.

Outro nome com possível candidatura é do presidente da Comissão de Saúde, Pedro Moraes (Republicanos). Ao CORREIO, ele confirmou que há uma chance de que seu nome seja lançado na disputa a uma vaga paranaense em Brasília. “Há conversas em andamento junto ao meu grupo político sobre a possibilidade de uma candidatura a deputado federal. Ainda faltam alguns ajustes, mas a possibilidade é grande”, afirmou.

Já o vereador Nego Silvio (Podemos) confirmou que é pré-candidato; no entanto, não revelou o cargo que pretende disputar. “Eu tenho ouvido um clamor da população, de amigos e pessoas que me ajudaram, desse vácuo de representatividade aqui em Guarapuava. Seja na esfera estadual, seja na esfera federal. Então há uma possibilidade sim. Claro que isso depende de muitas outras situações. Mas sou pré-candidato sim”, confirmou Silvio ao CORREIO.

DEMAIS
Os demais vereadores – à exceção de Marcelinho (DEM) que, por problemas de saúde na família, não pôde dar retorno à reportagem – afirmaram que não pretendem concorrer e que seguem normalmente seus mandatos.

No entanto, alguns edis devem apoiar candidatos de Guarapuava. É o caso do vereador Marcio Carneiro (Cidadania), que estará junto à deputada Cristina Silvestri; e de Cristóvão da Cruz (Democracia Cristã), que também declarou que apoiará um nome nas eleições.

Em resposta à reportagem, a assessoria da vereadora Bruna Spitzner (Podemos) destacou que ela “está focada no mandato como vereadora, sem outras pretensões neste momento”. As assessorias dos vereadores Vardinho (Cidadania), Sidão Oreiko (DEM) e João Napoleão (Podemos) também negaram uma possível candidatura dos políticos.

O vereador Joel Barbosa (Solidariedade) se mostrou contra deixar a função para a qual foi eleito, por isso, não será candidato em 2022. “Quero continuar me dedicando ao máximo no mandato de vereador, cujo povo me confiou”, disse.

E a assessoria do vereador Rodrigo Crema (PSL) informou que ele segue atuando no legislativo municipal, mas que estuda a possibilidade de colocar o nome à disposição para concorrer ao cargo de deputado federal.

Três vereadores são pré-candidatos em 2022: Prof. Terezinha, Pedro Moraes e Nego Silvio (Foto: Arquivo/Montagem/Correio)

CALENDÁRIO
As datas do calendário eleitoral já foram definidas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A principal delas, a da eleição, será nos dias 2 e 30 de outubro, no caso de cidades onde ocorre o segundo turno.

Antes disso, há datas limites para os processos de candidaturas, como o da janela partidária, que vai do dia 3 de março a 1° de abril. Nesse período, os deputados poderão realizar a troca de partido sem perder o mandato.

O dia 2 de abril é data-limite para que as legendas e federações partidárias obtenham o registro dos estatutos no TSE. Este também é o prazo final para que os candidatos tenham domicílio eleitoral. Até este dia eles precisam estar com a filiação deferida pelo partido.

No caso de presidente da República, governadores de Estado e prefeitos que pretendam concorrer a outros cargos, têm até esta data para renunciar.

Para o eleitor, 4 de maio é o último dia para emissão e transferência do título de eleitor.