Abertura da Conferência Guarapuava 2035 discute ciência, tecnologia e inovação

Em entrevista ao CORREIO, representantes do evento explicam a importância da conferência que irá selecionar dez propostas inovadoras para o município de Guarapuava

A Conferência Guarapuava 2035 teve início nesta terça-feira (19). Durante 50 dias, serão realizados 42 eventos entre palestras e oficinas. As lideranças do município vão realizar propostas e construir projetos e, a partir desta troca de ideias, serão selecionados dez programas para o plano de ação do fórum organizado por 27 instituições da cidade.

“Estou muito entusiasmado. Um fórum tão agregado de pessoas, com um projeto que transforma a nossa cidade em uma das cidades mais inovadoras do Brasil, é uma ideia brilhante que veio de várias pessoas pensando juntos com a sociedade civil. É o que nós queremos, e isso nos dá esperança de um futuro brilhante para podermos sonhar com dois mil e trinta e cinco”, destacou o prefeito Celso Góes.

Os projetos que serão realizados durante a conferência estão todos focados em ciência, tecnologia e inovação. Para que isso seja possível, o gestor de projetos do Sebrae-PR, Agenor Felipe Krysa, explica que as propostas devem pensar na formação do profissional do ano de 2035.

“São projetos que começam daqui um ano e terminam em 2035. Nós estamos olhando para os negócios, a formação de profissionais e a ocupação de pessoas que vão fazer parte de uma nova economia”, explica o consultor.

A coordenadora do programa Emprime, da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Inovação, Ana Cláudia Klosouski e o gestor de projetos do Sebrae-PR, Agenor Felipe Krysa fazem parte da organização da conferência (Foto: Carlitos Marinho/Correio)

Em diversos momentos da conferência, a palavra “ecossistema” é citada. Quando se busca a definição da palavra, entende que seria um conjunto de comunidades que vivem em um determinado local e interagem entre si, esse sistema constrói um ambiente estável, equilibrado e autossuficiente.

A intenção de se organizar um fórum com 27 instituições da sociedade, é exatamente promover ideias para diversas áreas da cidade. A partir desta busca, é possível alcançar um ecossistema equilibrado onde sejam atendidos o maior número de demandas do município.

“A gente quer envolver toda a sociedade para construir Guarapuava, por isso criamos um aplicativo que pretende que alunos, professores, reitores, líderes, participem, se envolvam, deem suas opiniões para que juntos com esse ecossistema fortalecido possamos construir a Guarapuava que queremos”, explicou o presidente do Fórum de Ciência, Tecnologia e Inovação de Guarapuava e secretário de Desenvolvimento Econômico e Inovação, Sávio Denardi.

A coordenadora do programa Emprime, da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Inovação, Ana Cláudia Klosouski, explica que a conferência permite o planejamento em várias instâncias, desde curso de Tik Tok na área da educação, até projetos de lei que ofereçam políticas públicas para a inovação.

“Cada instituição que faz parte do fórum vai realizar eventos. Então nós vamos conseguir atingir uma massa muito grande de pessoas porque vamos estar falando de inovação para as meninas do Xarquinho, nós vamos ter um curso com curso de Tik Tok no Núcleo Regional de Educação. Vamos estar com as faculdades falando de inovação. Também terá um evento junto com a ordem que vai tratar as legislações que favorecem o incentivo à inovação”, elucida a coordenadora.

PALESTRA
Duas palestras foram realizadas à distância. A primeira com o tema “Inovação com estratégia de desenvolvimento territorial”, ministrada por Julio Cezar Agostini, diretor de operações do Sebrae-PR. Já a segunda palestra foi realizada diretamente da Itália com a apresentação de Emílio Beltrami, CEO da empresa de consultoria Conect e do Centro Tecnológico Cosmob, abordando o tema “Foresight: uma proposta para Guarapuava 2035”.

Prefeito de Guarapuava Celso Góes com o superintendente de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Aldo Nelson Bona, ao fundo (Foto: Carlitos Marinho/Correio)

ÍNDICE EUROPEU
Após contar a dificuldade que teve durante o início da pandemia, onde viu diversos setores da sociedade contra os decretos de isolamento, o prefeito Celso Góes disse que “de repente todo mundo virou especialista em Covid-19”.

Ainda segundo o prefeito, Maringá foi citada como um exemplo de cidade que venceu por dois anos consecutivos o prêmio de melhor município para se viver no Brasil. Celso disse que planeja para o município guarapuavano “índice de Europa”.

“Até o final de 2024 teremos, se Deus nos ajudar, 100% de pavimentação asfáltica em Guarapuava, além de 96% de saneamento básico, com índice de Europa”, planeja o prefeito.

Além do prefeito, a deputada Cristina Silvestri também subiu ao palco e fez menção ao ex-prefeito que, segundo ela, ajudou a construir o início deste projeto.

“Não podemos esquecer do grande legado que o ex-prefeito Cesar Silvestri deixou de união de forças políticas e empresariais e que hoje temos a semente do Cilla Park Tech, do Vale do Genoma, e este trabalho está continuando, e muito bem, com o prefeito Celso Góes”, explana a deputada.

Por fim, o superintendente de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Aldo Nelson Bona, representou o governo estadual e fez menção ao governador Ratinho Junior.

“Representando o nosso governador Ratinho Junior, apostamos muito em iniciativas como essa para chegar em um estado mais moderno e inovador do país”, destacou Bona.

********Reportagem: Carlitos Marinho, especial para CORREIO, e Secom

********Matéria com acréscimo de informações às 9h de 22/10/2021