Guarapuava, 23 de maio de 2019
#curta!

Em seu livro mais recente, ‘Luzes de Niterói’, o quadrinista brasileiro Marcello Quintanilha mergulha fundo na trajetória de dois personagens (Hélcio e Noel) para contar uma história que se passa em Niterói nos anos de 1950

-

O movimento das águas e das nuvens dá o norte a figuras como Noel e Hélcio. À beira da praia, os dois têm o céu e o mar como referências no horizonte. O plano é remar para capturar um bom lote de peixes.

A narrativa de “Luzes de Niterói” (ed. Veneta, 2018) gira em torno dessa dupla de amigos. Enquanto Hélcio é um jovem e talentoso lateral (“beque direito”, na linguagem utilizada à época da história, anos de 1950) nos gramados do futebol, Noel tem uma deficiência física que marca a sua vida. Ambos querem navegar até certo ponto onde uma terceira pessoa utilizou explosões para pescar peixes.

Mas os planos não são tão simples assim. Depois de alcançar sua carga, os dois amigos conhecem Luz Del Fuego (famosa vedete daquela época) e o primeiro campo naturista do Brasil, enfrentam uma tempestade e rumam em alto mar. Tudo se passa na Baía da Guanabara, tendo a cidade de Niterói como espinha dorsal.

Talvez seja o relato mais intimista e melancólico na carreira do quadrinista brasileiro Marcello Quintanilha. Autor de obras premiadas como “Tungstênio” (2014) e “Hinário Nacional” (2016), ele assina o roteiro e o desenho de “Luzes de Niterói”, graphic novel (“romance gráfico”, em tradução livre) parcialmente financiada por meio de uma campanha na internet ao final de 2018. Por enquanto, somente os apoiadores puderam apreciar a leitura do material; o público em geral terá de esperar até meados de março.

A impressão do novo trabalho de Quintanilha é de uma narrativa sem a mesma profusão de histórias intercaladas como em gibis anteriores do autor. “Luzes de Niterói” mantém o característico estilo complexo da obra desse quadrinista brasileiro. Mas, desta vez, com foco em apenas dois personagens e num ritmo cercado de suspense. É possível apreciar o livro em “uma tacada só”, ou seja, numa leitura sem paradas. Afinal, o gibi não tem divisões de capítulos.

Na verdade, a única linha divisória é a passagem do tempo, marcada pelos quadros que mostram o céu. Primeiro, uma manhã ensolarada, com poucas nuvens; depois, o “tempo se armando” e o temporal; em seguida, a calmaria; terminando com o céu escuro da noite. É uma verdadeira “jornada épica do cotidiano” em um único dia.

“Luzes de Niterói” tem foco em apenas dois personagens e num ritmo cercado de suspense (Foto: Imagem apenas para divulgação da obra)

CONTEXTO

Segundo a editora Veneta, “Luzes de Niterói” tem uma trama baseada em fatos reais, ocorridos nos anos de 1950. A história se passa na Baía da Guanabara, onde Noel e Hélcio viajam de barco de um ponto a outro, e na cidade de Niterói.

Assim, o leitor toma conhecimento de figuras históricas e expressões de época, como é o caso de “sururu” (“confusão”). Aliás, Hélcio veste as cores do Canto do Rio, time que representa Niterói (a “Cidade Sorriso”) no campeonato estadual. O “Cantusca”, como também é conhecido o clube, faz um jogo emocionante contra o Vasco da Gama de Bellini.

AMIZADE

Entre outros aspectos, talvez o mais significativo em “Luzes de Niterói” seja a amizade entre Noel e Hélcio. É por meio dessa relação fraternal que Quintanilha produz momentos intimistas e carregados de melancolia com certa tristeza.

Por exemplo, na sequência em que Hélcio mergulha para pescar os peixes mais fundos, a narrativa investiga o íntimo do personagem, revelando parte de sua trajetória acidentada, cheia de erros e acertos. É como se fosse uma epifania, em que esse jogador de futebol tem uma revelação sobre a sua existência.

Em outro momento, é a vez de Noel se chocar com o comportamento de seu amigo. É a cena mais forte do livro, cujo discurso de Hélcio reverbera a própria sociedade.

SERVIÇO

A graphic novel “Luzes de Niterói” (ed. Veneta) está disponível para pré-venda à R$ 109,90 (em média) em sites de livrarias e lojas especializadas; a previsão de envio é a partir de 18 de março. Para mais informações, acesse o site da Veneta (CLIQUE AQUI).

Veja Também