Próximo adversário do Batel ainda não venceu na Divisão de Acesso 2020

Disputando duas competições ao mesmo tempo, o Nacional Atlético Clube (NAC) ficou com uma série de jogos atrasados na Segundona para serem cumpridos agora; um deles é contra o Rubro-Negro da Baixada. E o NAC está na lanterninha, somando apenas um ponto na tabela

Com apenas dois pontos em seis jogos e ainda sem vencer, o Batel vive situação delicada na 1ª fase do Campeonato Paranaense da 2ª Divisão 2020 (ou Divisão de Acesso). Essa tradicional equipe de Guarapuava precisa de vitórias para escapar do rebaixamento.

Hoje, o Rubro-Negro da Baixada está na penúltima posição da tabela de classificação. Em outras palavras, está na famosa zona da degola, pois o regulamento diz que os dois piores times sofrerão o descenso para a 3ª Divisão de 2021.

E o Batel tem somente mais três partidas para somar pontos e reverter tal situação crítica. Serão dois jogos nas rodadas decisivas: dia 16 de novembro (segunda-feira), em casa, contra o São Joseense; e dia 19 de novembro (quinta), também no Waldomiro Gelinski, diante do Araucária EC.

Mas antes de tudo isso, a equipe guarapuavana precisa disputar um jogo atrasado lá da 6ª rodada. Assim, no dia 10 de novembro (terça-feira), às 15h30, os comandados do técnico Rafael Andrade enfrentarão o Nacional Atlético Clube (NAC), em Rolândia, no Estádio Mun. Érich Georg.

Explica-se: no início da Divisão de Acesso, as datas do NAC se chocaram com seus compromissos na Série D do Brasileirão. Por isso, a tabela foi alterada e recentemente o time rolandense começou a “saldar” seus jogos atrasados. Um deles é justamente contra o Batel.

SITUAÇÃO
Mas participar de duas competições simultâneas não foi um bom negócio para o tradicional clube de Rolândia, um dos mais antigos do interior do Paraná. Até agora, não venceu partida alguma na Segundona e tem apenas um pontinho, ocupando a lanterninha.

Na quinta-feira (29), por exemplo, o Guerreiro do Norte perdeu em casa para o São Joseense (3 a 1), em partida válida pela 1ª rodada da Segundona. Antes disso, na terça (27), o Nacional já havia perdido para o Azuriz, em Pato Branco (2 a 1). Era um duelo da 2ª rodada.

Em 9 de outubro, também jogo atrasado da 3ª rodada, os rolandenses caíram diante do Maringá FC (2 a 0), no Érich Georg. O único ponto do NAC foi conquistado em 6 de outubro, contra o Apucarana Sports, no empate de zero a zero em Rolândia. Curiosamente, não era uma partida que tinha ficado em “a ver”.

Nesse tempo todo, o Guerreiro cumpriu seus compromissos pelo Brasileiro, acumulando sete derrotas, um empate e apenas uma vitória. Esse histórico provocou mudanças na comissão técnica. Sem mais chances na Série D, o clube rolandense passou a priorizar o Paranaense, na tentativa de evitar o rebaixamento.

Portanto, o jogo entre Batel e Nacional é a famosa “partida de seis pontos”, em que somente a vitória interessa aos dois.

Rafael Andrade conversa com jogadores do Batel, no WD. Antes da chegada a Guarapuava, ele comandou o NAC na Série D em 2020 (Foto: Arquivo/Correio)

CHANCES
Em conversa recente com o CORREIO, o técnico rubro-negro Rafael Andrade disse que o Batel depende apenas de si para escapar da “zona da confusão”. “Acredito que se vencermos os dois primeiros confrontos (Nacional e São Joseense), escapamos do rebaixamento por se tratar de adversários diretos. Embora com 9 pontos certamente livra dessa zona”.

No entanto, Andrade avalia que serão jogos duríssimos, “nos quais vamos ter de vencer na base da superação e comprometimento”.

E uma curiosidade: antes de assumir o comando do Batel, o professor estava à frente do NAC na Série D do Brasileiro. Mas não chegou a treinar o clube rolandense na Divisão de Acesso, pois saiu antes.