Atleta de Guarapuava disputa o Campeonato Paranaense de Fisiculturismo

A competição ocorre no próximo domingo (5 dezembro), em Maringá

O Campeonato Paranaense de Fisiculturismo será realizado no próximo domingo (5), em Maringá. Trata-se de uma competição organizada pela Federação Paraná Fisiculturismo e Fitness (PRFF), e que terá a atleta Denise Sampietro (40 anos) representando Guarapuava.

Vencedora dos Campeonatos Paranaense e Sul-brasileiro de Fisiculturismo pela World Fitness Federation Brasil (WFF), a atleta mudou de competição em busca de uma maior competitividade. “É uma federação nova, mas muito competitiva e com muitos bons atletas”, explica Denise.

A fisiculturista e professora de língua portuguesa explica que a sua rotina começa às 5h15, quando levanta para fazer um treino cardio, que são exercícios de baixa a moderada intensidade, importantes para a recuperação muscular.

“Levo minhas marmitas para a escola, como no horário certo, e aí às 18h eu vou para o meu treino, faço o treino e mais uma hora de cardio”, completa.

A atleta explica que a preparação para uma competição de fisiculturismo começa entre 14 e 16 semanas antes da disputa. Esse tempo relativamente grande está relacionado a uma rigorosa rotina de dieta e treinos.

A finalização da preparação, no entanto, ocorre quando falta uma semana para o dia da competição. Denise explica que é feita uma hiper hidratação e, quando faltam 36 horas para o dia final, o competidor não pode ingerir nenhum líquido.

“A gente desidrata justamente para ficar com aquela pele fininha que aparece nos palcos, aquela marcação da musculatura. Ela é feita por conta da desidratação. Nessa finalização na parte de desidratação, você baixa muito sódio também. E aí no dia você faz uma bomba de sódio, justamente para dar aquele efeito”, diz a fisiculturista.

HISTÓRIA

Denise iniciou na musculação há apenas três anos. Ela conta que precisou fazer atividade física para fortalecer os músculos por conta de uma cirurgia na coluna. A partir de uma rotina de dieta e treinos, a atleta percebeu o resultado em pouco tempo e, após sete meses, participou do seu primeiro campeonato.

“Perdi, lógico. Porque sete meses é pouco tempo para treinar. Mas a partir dali eu vi que eu conseguia e que eu podia melhorar tanto esteticamente, mas também mentalmente. A cabeça da gente vai melhorando porque você vê que você consegue dar conta de coisas que você não imaginava”, revela Denise.

No entanto, não foi só a necessidade física que fez ela entrar no fisiculturismo. Denise conta que tem uma sobrinha que é ex-atleta desta modalidade e, durante as apresentações dela, se encantava com os corpos.

“Eu pensava que nunca iria conseguir chegar naquele corpo. Mas depois eu vi o quanto é gratificante você estar neste meio, conhecer todo o processo e ver a magia que tem no backstage, porque o seu corpo muda até o último minuto”, finaliza.