Arbitral define que Série Prata 2021 iniciará em 10 de abril

Reunião contou com a presença das dez equipes que compõem a competição: Aema Mariópolis, Apaf Paranaguá, Apucarana, Clube Atlético Deportivo (CAD) de Guarapuava, Incodef Medianeira, Fazenda Futsal, MEC Mangueirinha, São Lucas Paranavaí, Acesmil São Miguel do Iguaçu e Maringá Seleto

Representantes de clubes e Federação Paranaense de Futebol de Salão (FPFS) se reuniram na noite desta terça-feira (9 março) e definiram o formato da Série Prata de 2021. Por conta do crescimento de casos de Covid-19, o arbitral foi online.

A reunião contou com a presença das dez equipes que compõem a competição: Aema Mariópolis, Apaf Paranaguá, Apucarana, Clube Atlético Deportivo (CAD) de Guarapuava, Incodef Medianeira, Fazenda Futsal, MEC Mangueirinha, São Lucas Paranavaí, Acesmil São Miguel do Iguaçu e Maringá Seleto.

Segundo informações da FPFS, a divisão de acesso tem previsão para iniciar em 10 de abril, com término estimado para 27 de novembro. A fórmula de disputa é a seguinte:

  • 1ª fase (classificatória): as dez equipes jogarão entre si, em turno e returno por pontos corridos, classificando-se para a 2ª fase as oito primeiras colocadas;
  • 2ª fase (classificatória): As oito equipes serão divididas em dois grupos (A e B), com quatro times cada;
  • 3ª fase (semifinais): será disputada no sistema de Play-Off pelas quatro equipes que foram classificadas na fase anterior (2ª fase);
  • 4ª fase (finais): será disputada no sistema de Play-Off pelas duas equipes que foram classificadas na fase anterior (3ª fase).

Na avaliação do supervisor do CAD, Japa, a edição 2021 promete ser muito “pegada” e acirrada, pois reúne equipes que subiram da Bronze e as remanescentes da Prata que se reforçaram bastante. “O São Miguel, neste ano, é novamente um dos favoritos, pelo investimento”, diz, em entrevista ao CORREIO.

Material de divulgação da FPFS com os times participantes da Série Prata 2021 (Foto: Reprodução)

TORCIDA

Assim como em 2020, a Prata deste ano será sem torcida nos ginásios, pois “através de consulta com os municípios não existe essa liberação de forma unânime, ou seja, teremos que seguir as regras do governo do estado e torcer para que essa pandemia acabe logo e possamos voltar a encher nossos ginásios com torcedores apaixonados pelo nosso esporte”, diz texto da Federação em suas redes sociais.

“Vai ser complicado, porque a gente passou um ano de pandemia e continua. A gente vai na rua e todo mundo querendo assistir ao jogo. Mas, como a gente fala, em primeiro lugar está o cuidado com a vida de todos nós. Não podemos brincar e nem vacilar neste momento”, avalia Japa, destacando que a vacinação ainda está em estágio inicial.

Por isso, ele diz que é preciso se adaptar a esse processo de pandemia. Nesse sentido, o supervisor comenta que o CAD retornou com suas atividades em quadra, seguindo todos os protocolos sanitários.

ACESSO
Japa conta que o torcedor guarapuavano, conhecido pelo apelido de Guerreiro, está na expectativa pelo retorno do CAD à Série Ouro, que é a elite do salonismo paranaense. “Será um processo árduo. A diretoria tem ralado constantemente”, acrescentando que a atual diretoria é formada por torcedores que abraçaram a causa e têm se dedicado 24 horas ao CAD para buscar patrocínios e melhorar a equipe.

Nesse sentido, o supervisor reconhece que a campanha pelo acesso será difícil, mas o esporte é democrático, permitindo ao time que não é favorito ter êxito e brigar em igualdade quando a bola rola em quadra.

2022
Para a Série Prata 2022, serão 16 equipes participantes, “não tem descenso de equipes da Série Prata para 2022, sendo: 13º a 16º Série Ouro 2021; 03º a 10º Série Prata 2021; 01º a 04º Série Bronze 2021”.