Guarapuava tem saldo de 461 vagas de emprego em fevereiro

Esse desempenho da economia guarapuavana é resultado de 2.559 admissões e 2.098 demissões. Em termos percentuais, representa 1,09%. Entre os setores aferidos, destaque para Serviços, com 230 vagas geradas; seguido de Comércio (+101), Construção (+86) e Indústria (+68)

Com geração de 461 vagas, o município de Guarapuava fechou o mês de fevereiro com saldo positivo na criação de empregos com carteira assinada. É o que mostram os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado nesta semana pelo Ministério do Trabalho e Previdência.

Esse saldo da economia guarapuavana é resultado de 2.559 admissões e 2.098 demissões. Em termos percentuais, representa 1,09%.

Entre os setores aferidos, destaque para Serviços, com 230 vagas geradas; seguido de Comércio (+101), Construção (+86) e Indústria (+68). Somente a Agropecuária ficou em baixa, com perda de 24 postos de trabalho ao longo de fevereiro.

No ano de 2022, Guarapuava já acumula a criação de 739 ocupações formais. Ou seja, o número de admissões (4.775) está acima das demissões (4.036). Novamente, Serviços lidera o desempenho, com saldo de 345 postos. Em seguida, aparecem Construção (+158), Indústria (+142), Comércio (+89) e Agropecuária (+5).

Inclusive, o maior município do terceiro planalto paranaense está no grupo de cidades do interior que puxaram a geração de empregos no Paraná. Segundo a Ag. Estadual de Notícias, com base no Caged, de cada quatro municípios paranaenses, três apresentaram resultado positivo na geração de empregos em fevereiro. A pesquisa revelou que 291 cidades fecharam o período com mais contratações do que demissões (73%); e nove ficaram zeradas (2%), ou seja, com o mesmo número de admissões e desligamentos.

O restante (99 municípios) teve desempenho negativo. Desses, porém, 39 finalizaram com até cinco cortes (40%), número facilmente reversível em um curto período de tempo.

Essa conjuntura fez com que o Paraná fechasse o mês passado com saldo de 28.506 postos de trabalho com carteira assinada, reflexo de 169.870 admissões e 141.364 demissões, melhor resultado do Sul do País – Santa Catarina criou 28.484 e o Rio Grande do Sul 25.908. No ranking nacional, apenas São Paulo (98.262) e Minas Gerais (36.677) tiveram desempenho melhor no período. Sozinho, o Paraná abriu mais vagas que duas regiões inteiras do Brasil: Nordeste (28.085) e Norte (12.727).

Saldo de Guarapuava, conforme tabela do Caged (Arte: Reprodução)

No acumulado dos dois primeiros meses do ano, o Estado tem saldo de 47.804 postos abertos, ficando atrás apenas de São Paulo (142.513) e Santa Catarina (51.906).

“Esses números comprovam a grande retomada que o Paraná vem tendo na economia. É, sem dúvida, uma demonstração de força de um Estado que vem batendo recordes em sequência. No ano passado foram mais de 172 mil vagas abertas no ano passado, algo fantástico, o melhor saldo dos últimos 18 anos”, destacou o governador Carlos Massa Ratinho Junior. “O emprego é o maior projeto social que existe e o Paraná é o estado de gente que trabalha, essa vocação está em nosso DNA”.

CIDADES
A geração de empregos em fevereiro foi puxada por Curitiba. A Capital abriu 9.920 postos formais de trabalho no período, 35% do total. No Interior, as admissões ficaram concentradas em Maringá, que teve saldo de 1.211 vagas no período. Na sequência aparecem Cascavel (1.190), São José dos Pinhais (1.179), Londrina (848), Foz do Iguaçu (699), Ponta Grossa (626), Toledo (621), Araucária (588), Guarapuava (461) e Francisco Beltrão (446).

“Há uma descentralização na distribuição dos postos de trabalho, com a atração de diversas empresas para o Interior e um desenvolvimento igualitário em todo o Paraná”, afirmou Ratinho Junior.

*********Com informações da AEN