Obra de Glauber Rocha é destaque em novo serviço de streaming gratuito

Com acesso grátis, Itaú Cultural Play entrou no ar em 19 de junho, Dia do Cinema Brasileiro, com catálogo composto por mais de 100 títulos nacionais. Sete deles são dirigidos pelo famoso cineasta baiano

No ar desde 19 de junho, Dia do Cinema Brasileiro, o Itaú Cultural Play (www.itauculturalplay.com.br/) é a nova opção gratuita de streaming para os fãs de filmes feitos no país.

São mais de 100 títulos brasileiros, todos disponíveis com acesso grátis em todo território nacional para maiores de 18 anos. É composto de filmes, séries, programas de TV, festivais e mostras temáticas e competitivas, além de produções audiovisuais de instituições culturais parceiras.

Basta fazer um cadastro simples (nome, data de nascimento, e-mail e senha) para começar a utilizar o serviço, que pode ser aberto em computadores e celulares/tablets por meio de navegador.

Logo de casa, o grande destaque é uma homenagem ao cineasta Glauber Rocha (1939-1981), o principal nome do Cinema Novo, movimento que renovou a cinematografia brasileira nos anos de 1960.

“Admirada por cineastas como Martin Scorsese, a obra de Glauber Rocha é sempre atual, um mundo de vasta geografia em que a política, a poesia, o mito e a história estão sob constante tensão e disputa. De sua estreia na direção com o curta ‘Pátio’, ao seu último filme, o polêmico ‘A idade da terra’, passando ainda por clássicos mundialmente conhecidos como ‘Terra em transe’, esta mostra reúne o essencial da filmografia do diretor baiano”, diz o serviço.

Em resumo, a plataforma reuniu sete filmes dirigidos por Glauber: “Barravento” (1961); “Câncer” (1968-1972); “Deus e o diabo na terra do sol” (1964); “O dragão da maldade contra o santo guerreiro” (1969); “A idade da Terra” (1980); “Pátio” (1959); e “Terra em transe” (1967).

“Deus e o diabo na terra do sol” (1964) é um dos principais filmes de Glauber Rocha (Foto: Reprodução)

MAIS
Além de Glauber Rocha, o streaming homenageia o produtor Luiz Carlos Barreto, o Barretão, sendo títulos com sua produção e direções variadas, todos dedicados ao tema do futebol: “Garrincha, alegria do povo” (1962); “Isto é Pelé” (1974); “Mané Garrincha” (1978); “O casamento de Romeu e Julieta” (2004); e “Uma aventura do Zico” (1998).

Para a estreia, quatro diretores ganham mostras, com quatro filmes de cada um à disposição do público.

De Carlos Nader, estarão disponíveis “A paixão de JL” (2014), sobre o artista Leonilson; “Pan-cinema permanente” (2008), documentário sobre o poeta Waly Salomão vencedor do festival É Tudo Verdade em 2008; “Homem comum” (2014), também vencedor do É Tudo Verdade, em 2014; e “Tela” (2010).

Os trabalhos de Junia Torres disponíveis, todos em parceria com outros diretores, serão: “Aqui favela, o rap representa” (2003), documentário sobre a cena do rap em São Paulo e em Belo Horizonte; “A rainha Nzinga chegou” (2019); “Nos olhos de Mariquinha” (2008); e “O Jucá da volta” (2014).

De Otto Guerra, teremos “A cidade dos piratas” (2018), baseado nos quadrinhos e nos personagens da Laerte; “Até que a Sbórnia nos separe” (2013), animação adulta premiada em festivais brasileiros; “Wood & Stock: sexo, orégano e rock’n’roll” (2006); e “Novela” (1992).

Obra de Glauber Rocha é sempre atual, um mundo de vasta geografia em que a política, a poesia, o mito e a história estão sob constante tensão e disputa (Foto: Reprodução)

CURADORIA
Do acervo permanente do Itaú Cultural, o público terá à disposição “Daquele instante em diante” (2010), de Rogério Velloso, sobre Itamar Assumpção; “Evoé! Retrato de um antropófago” (2011), de Tadeu Jungle e Elaine Cesar, sobre José Celso Martinez Corrêa; e “Patxohã, língua de guerreiros” (2016), de Claudiney Ferreira.

Outros recortes de seleção serão Cinema Negro Brasileiro, com filmes como “Ela volta na quinta” (2014), de André Novais Oliveira, “O dia de Jerusa” (2013), de Viviane Ferreira, “A negação do Brasil” (2000), de Joel Zito Araújo; e Cine Curtinhas (com vários títulos infantis de animação).

FASES
O lançamento ocorrido no dia 19 de junho é a primeira etapa de três fases. Em seguida, haverá a integração com o Itaú Cinema. Já a terceira fase será a chegada da Itaú Cultural Play às smartvs, como Samsung, LG e Apple TV.

*****************Com informações de assessoria