Governo reativa 573 leitos exclusivos para infectados pelo coronavírus

O Governo do Estado reativou nas duas últimas semanas 573 leitos de atendimento exclusivo à Covid-19 para dar conta da

O Governo do Estado reativou nas duas últimas semanas 573 leitos de atendimento exclusivo à Covid-19 para dar conta da alta demanda de pedidos de internamento. A medida é mais um enfrentamento em virtude da onda crescente de contaminação da doença, que voltou com força no mês passado. Foram disponibilizados, a partir de 20 de novembro, 159 leitos de UTI e 414 de enfermaria. Destes, 321 (93 UTIs e 228 enfermarias) foram em Curitiba e região.

Com o novo pacote, de acordo com o serviço de Regulação de Leitos Estadual, o Paraná tem neste momento 2.612 unidades destinadas apenas para o tratamento do novo coronavírus – 1.052 são UTIs e 1.504 enfermarias para adultos e mais 22 UTIs e 34 enfermarias pediátricas.

Nesses quase nove meses de pandemia, o Governo do Estado desembolsou R$ 95,7 milhões para os hospitais que fazem parte do plano de atendimento a pacientes suspeitos ou confirmados pelo vírus, entre privados e filantrópicos. Até o fim deste mês serão pagos pelo menos mais R$ 148 milhões estimados nesta nova ampliação da estrutura.

Ainda assim, ressaltou o governador Carlos Massa Ratinho Junior, o Estado precisou intervir com a adoção de outras ações, já que a capacidade de abertura de leitos está próxima do limite. Uma delas é o impedimento provisório na circulação de pessoas entre as 23h e 5h, em vigor desde a quarta-feira (02).

O mesmo vale para a proibição da comercialização e do consumo em vias e espaços públicos de bebidas alcoólicas durante o mesmo período, na madrugada, e a suspensão de confraternizações e eventos presenciais que causem aglomerações com grupos de mais de 10 pessoas. As medidas restritivas para evitar a propagação do novo coronavírus constam no decreto 6294/2020, editado na quinta-feira (03), e tem validade de 15 dias, com opção de prorrogação ou não.

A intenção, reforçou ele, é além de buscar a diminuição do número de casos, acabar com aglomerações e festas clandestinas, organizadas especialmente por jovens, que tomaram conta da Região Metropolitana de Curitiba (RMC) a partir do mês passado. Ratinho Junior lembrou que essas confraternizações, aliadas ao consumo de bebidas alcoólicas e de direção, acabam por ampliar o número de vítimas de traumas, que inclui acidentes de trânsito, agressões por briga e facadas, entre outros.

Essa modalidade é responsável por ocupar cerca de 15% dos leitos de UTI no Paraná. “Precisamos tomar essas decisões para conscientizar as pessoas e diminuir o número de traumas. Só assim conseguiremos ter mais leitos com dedicação exclusiva ao Covid-19. Apelamos para a consciência das pessoas para que fiquem em casa, não façam aglomerações. É um período de exceção que só será vencido com a união de todos”, afirmou o governador. “A Polícia Militar está orientada a fiscalizar, intervir e acabar com qualquer evento que não se enquadre dentro deste novo decreto”, acrescentou.

INTERIOR

Secretário de Estado da Saúde (Sesa), Beto Preto informou que a ampliação de estrutura se dá também no interior do Estado. Segundo ele, 60 leitos devem ser habilitados nos próximos dias, em Umuarama (20) e Arapongas (40). “Devido ao aumento no número de casos, houve a necessidade de reativação dos leitos em Curitiba e na Região Metropolitana. Mas reafirmo, os leitos são finitos e os recursos humanos também. As equipes médicas e de profissionais que atendem nas UTI’s estão nos seus limites. É preciso uma mudança de comportamento, que as pessoas evitem a circulação e as aglomerações”, disse o secretário.

“Temos uma programação para reativar outros leitos até a próxima terça-feira (08). Além disso, mantemos constante contato com os serviços de saúde para viabilizar novos leitos também em outras regiões”, acrescentou.

PREVENÇÃO

Diretor de Gestão em Saúde da Sesa, Vinícius Filipak destacou que o Governo do Estado não tem medido esforços para ampliar o atendimento à população paranaense. Mesmo assim, é necessário reforçar os cuidados básicos como uso de máscaras, distanciamento social, isolamento domiciliar e uso de álcool em gel.

“A ampliação de leitos viabiliza o acesso de pacientes ao atendimento, mas não impede as complicações que este paciente possa ter em virtude da doença. Infelizmente cerca de 20% das pessoas que precisam de internamento pela Covid-19, não sobrevivem ao tratamento”, ressaltou o diretor.

Enquanto não houver uma vacina comprovada que previna a doença, é preciso conscientização individual da população. “É preciso entender que não basta ter leitos, é necessário evitar a contaminação. Mesmo que haja leitos disponíveis para todos os pacientes, ainda assim alguns deles não vão sobreviver ao vírus”, completou ele.