Cristina Silvestri entrega mais de 30 mil absorventes descartáveis arrecadados em campanha

A campanha foi realizada pela Procuradoria da Mulher da Assembleia Legislativa, com o apoio das deputadas, deputados, esposas dos parlamentares, funcionários e membros da Sociedade Civil Organizada

A deputada estadual e procuradora da mulher, Cristina Silvestri (Cidadania), realizou a entrega oficial de mais de 30 mil unidades de absorventes descartáveis para o Coletivo Igualdade Menstrual, de Curitiba, que atende jovens e mulheres em situação de vulnerabilidade social. 

A campanha foi realizada pela Procuradoria da Mulher da Assembleia Legislativa, com o apoio das deputadas, deputados, esposas dos parlamentares, funcionários e membros da Sociedade Civil Organizada.

“Nós realizamos essa campanha em um momento em que o tema pobreza menstrual ganha cada vez mais espaço. Um problema social grave, questão de saúde pública, que afeta milhares de mulheres no Paraná e no Brasil”, disse Cristina, frisando que no Estado estima-se que mais 370 mil adolescentes, em idade escolar, necessitam de absorventes e faltam às aulas durante o período menstrual pela falta do item.

Parte das doações será encaminhada pelo Coletivo para duas associações de comunidades carentes que prestam assistência a pelo menos 500 mulheres todos os meses na capital. 

POLÍTICA PÚBLICA

Além de marcar o Dia Internacional da Higiene Menstrual e o Dia Internacional da Dignidade Menstrual, celebrados no último dia 28 de maio, a campanha teve como objetivo despertar a atenção da sociedade para a questão, que pode inclusive ganhar uma política pública de apoio no Estado através do Projeto de Lei 944/2019, que tem coautoria da deputada Cristina.

“Esse é um projeto que ressalta, justamente, a dignidade feminina, objetivando a distribuição de absorventes íntimos em escolas da Rede Estadual e nas Unidades Básicas de Saúde”, explicou. A iniciativa garante, segundo a justificativa, dignidade às adolescentes nas escolas públicas e mulheres que procuram atendimento de saúde, uma vez que é destinado às cidadãs em vulnerabilidade social e econômica.

O texto do PL já foi aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia (CCJ) e aguarda parecer das demais Comissões temáticas para seguir a votação em plenário.