Guarapuava, 19 de agosto de 2019
#curta!

Há 25 anos, o filme “O Rei Leão” fez sucesso ao contar uma história de poder e ambição com toques shakespearianos no reino animal. Essa animação marcou época pelo desenho todo feito à mão. Em 2019, uma versão live-action tem estreia nacional nesta quinta-feira (18) em Guarapuava

-

Com toques profundamente shakespearianos, a animação “O Rei Leão” fez enorme sucesso nos cinemas de todo o mundo há mais de 25 anos.

Produzido pelos estúdios da Disney, o desenho dirigido por Roger Allers e Rob Minkoff marcou toda uma geração em 1994 ao contar a história de poder e ambição no universo animal.

O recém-nascido leãozinho Simba (voz original de Matthew Broderick) recebe a bênção do sábio babuíno Rafiki (voz de Robert Guillaume). O pequeno é filho do rei Mufasa (a incrível voz de James Earl Jones) e da rainha Sarabi (voz de Madge Sinclair); ou seja, Simba é herdeiro do trono de Rei Leão.

Mas seu tio Scar (voz de Jeremy Irons) é invejoso e maquiavélico. Ele arma um plano para se livrar de Simba e herdar o reino.

É uma trama baseada na obra-prima do teatro “Hamlet”, peça escrita pelo poeta, dramaturgo e ator inglês William Shakespeare (1564-1616). Situada na
Dinamarca, essa tragédia conta a história errante do príncipe Hamlet, que tenta vingar a morte de seu pai, que fora envenenado pelo tio Cláudio. O irmão do rei tomou o trono e, em seguida, se casou com a rainha.

Mesmo quem nunca leu uma linha sequer de “Hamlet” deve conhecer trechos como “Há mais coisas entre o céu e a terra do que pode imaginar nossa vã filosofia”; “Há algo de podre no reino da Dinamarca”, e, claro, “Ser ou não ser, eis a questão”.

É óbvio que o desenho da Disney não chega ao ponto de reproduzir essas frases, mas é nítida a influência do texto shakespeariano na trama de “O Rei Leão”.

Após a trágica morte de seu pai, Simba se sente culpado e resolve fugir. Ele é acolhido pela dupla Timão e Pumba (um suricato e um javali), sendo criado longe de seu posto de direito.

É um rito de passagem da infância para a fase adulta até retornar e retomar seu posto no reino.

O desenho de 1994 levou seis anos para ficar pronto, pois fora feito todo ele em desenho à mão nas mesas dos artistas dos estúdios Disney (Foto: Divulgação)

TÉCNICA

Além da trama, o que chama a atenção em “O Rei Leão” é a técnica de produção. Nos estertores do trabalho artesanal, o filme foi todo produzido nas mesas de desenho dos artistas de animação da Disney. Em outras palavras, é um material feito à moda antiga, em fase que antecedeu a chegada do digital.

Por isso, “O Rei Leão” de 1994 demorou seis anos para ficar pronto. Por exemplo, a morte do rei Mufasa no meio de uma manada de gnus levou dois anos para ser finalizada. Engraçado que, na tela, a sequência se desenrola em apenas dois minutos.

O projeto todo do filme nasceu em 1988, quando a Disney decidiu criar um longa animado que fosse ambientado na selva africana.

Todo esse esforço foi recompensado com dois prêmios Oscar (melhor canção original e melhor trilha sonora) e uma bilheteria absurda nos cinemas da época (US$ 45 milhões).

O príncipe Simba foi criado pela dupla Timão e Pumba (Foto: Divulgação)

DIGITAL

Se “O Rei Leão” marcou época em 1994 ao ser todo feito com desenhos à mão, no ano seguinte “Toy Story - Um Mundo de Aventuras” (1995) se destacou pelo pioneirismo.

Produzida em parceria pela Walt Disney Pictures e Pixar Animation Studios, a obra dirigida por John Lasseter é considerada a primeira animação inteiramente computadorizada.

Curiosamente, nesse aniversário de 25 anos de “O Rei Leão” a sua versão live-action (cuja história é a mesma) chega aos cinemas brasileiros nesta quinta-feira (18 julho) com altos efeitos digitais. Com direção de John Favreau (o mesmo do primeiro “Homem de Ferro” da Marvel Studios), o longa-metragem tem personagens produzidos em computação gráfica, como é o caso dos animais. Estes são tão realistas que parecem saídos de algum documentário do canal Animal Planet.

Mas, de tão perfeitos, parecem que estão sem vida, conforme os trailers divulgados até aqui. Claro que o filhotinho Simba deve encantar as famílias que forem ao cinema a partir desta quinta-feira.

SERVIÇO

Em Guarapuava, o circuito comercial de cinemas (localizado no Shopping Cidade dos Lagos) tem os seguintes horários para o novo “O Rei Leão”, cuja estreia nacional é nesta quinta-feira (18): às 14h, 15h, 16h30, 17h30, 19h, 20h e 21h30, somente cópia dublada.

 

***********Trailer do filme de 1994:

Veja Também