Guarapuava, 07 de dezembro de 2019
Cotidiano

Durante a audiência pública, os representantes da empresa Urbtec, responsável pelo plano, apresentaram o resumo de todo o trabalho feito ao longo do processo, além das propostas elaboradas para a mobilidade urbana do município

-

Depois de oito meses de estudo e coleta de dados, a Secretaria de Trânsito e Transportes de Guarapuava promoveu a última fase do Plano de Mobilidade Urbana, na última quinta (17), na Faculdade Guairacá.

Durante a audiência pública, os representantes da empresa Urbtec, responsável pelo plano, apresentaram o resumo de todo o trabalho feito ao longo do processo, além das propostas elaboradas para a mobilidade urbana do município.

“Nós estamos encerrando a construção de um plano de mobilidade onde a população de Guarapuava teve a condição de opinar e passar suas experiências. O que a gente fez foi pegar as deficiências apontadas e transformar em um plano que prioriza a qualidade do fluxo do trânsito. Em 2009, nós tínhamos uma frota de 39 mil veículos. Hoje, esse número aumentou para 112 mil e isso traz uma variedade de situações em que precisamos repensar a cidade”, explicou o secretário de Trânsito e Transportes, Airson Horst.

A cidade deverá abrir novos espaços que incentivem os meios alternativos de transporte, garantam um melhor fluxo nas vias e desafoguem o trânsito. Por isso, foram apresentadas obras e ações de curto, médio e longo prazo como a padronização de calçadas, ampliação dos espaços para pedestre, instalação de trincheiras e um circuito verde. Esse planejamento é resultado de um árduo estudo desenvolvido em várias etapas. “Hoje, a audiência pública do Plano de Mobilidade fecha o processo desses oito meses de estudos que foram realizados. Nós elaboramos o plano sempre ouvindo quem está fazendo uso do trânsito diariamente. Nós fizemos cerca de 1.750 entrevistas com usuários do transporte coletivo, também ouvimos pedestres, ciclistas, além de promover as audiências e oficinas durante o processo”, contou o diretor da Urbtec, Gustavo Taniguchi.

(Foto: Secom)

PARTICIPAÇÃO

Além de conhecer as propostas elaboradas, a população pôde opinar e tirar as dúvidas ao final da reunião por meio de um debate com os representantes da Urbtec e da Secretaria de Trânsito.

Amauri Casarin Júnior é professor e engenheiro civil na área de transportes e conta que o resultado dos estudos foi satisfatório. “Eu, como engenheiro na área de transportes, gostei bastante. O plano atendeu as expectativas que a gente espera de um projeto desse porte, tanto para os motoristas, pedestres e para o ciclista”, contou Amauri.

Agora, as propostas do Plano de Mobilidade vão ser encaminhadas para a Câmara, contempladas em um projeto de lei. “Após a aprovação, nossa expectativa é colocar em prática as primeiras ações de curto prazo já em janeiro do ano que vem”, finaliza o secretário Airson Horst.

Veja Também