Guarapuava, 19 de novembro de 2019
Economia

Mais de 20 entidades sindicais deliberaram em assembleia pelo início da paralisação a partir do dia 25 de junho. Em Guarapuava, profissionais ligados à educação, saúde e segurança pública devem aderir ao movimento

-

A insatisfação do funcionalismo público do Paraná pode levar a uma greve geral a partir da próxima terça-feira (25). A principal demanda dos trabalhadores é o pagamento da data-base, que não é cumprida desde 2016 e que já soma uma defasagem de 17% nos salários.

De acordo com Terezinha Daiprai, que preside o diretório regional do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná (APP-Sindicato), mais de 20 entidades que fazem parte do Fórum das Entidades Sindicais do Paraná (FES) já decidiram pela paralisação.

“A greve está definida. Vai iniciar no próximo dia 25, a menos que o governador apresente uma proposta para pagar os 4,9% da inflação referente a este ano, e traga uma proposta para pagar o restante”, afirmou, ressaltando que a mobilização tem apoio de diversos setores, como educação, saúde e segurança pública.

Em uma entrevista coletiva concedida em Londrina, o governador Ratinho Jr. afirmou que seu desejo é dar o reajuste aos servidores, mas ressaltou que o governo não tem dinheiro.

“Estamos fazendo esforços, cortando mordomias, para construir um projeto que permita, daqui a alguns meses ou no ano que vem, dar reajuste aos funcionários. Minha função como governador é cuidar do equilíbrio e garantir saúde financeira ao Estado”, disse.

Em contrapartida, Terezinha afirma que o governo não apresentou os estudos necessários sobre a possibilidade de pagamento da data-base. “Por conta dessa inércia é que os servidores tomaram a decisão de deflagração da greve, que está sendo o último recurso”, afirmou, ressaltando que a paralisação “não é nada agradável” e que os professores irão cruzar os braços.

UNICENTRO

O Sindicato dos Docentes da Unicentro (Adunicentro) aprovou um indicativo de greve para o dia 26 de junho, e deve realizar uma nova assembleia nessa data. Há possibilidade de deflagração de greve por tempo indeterminado.

“Consideramos que este é o momento de união de forças de todas as categorias de servidores do Paraná para lutarmos por nossos direitos e em defesa da educação. A greve só acontecerá se o governador insistir em negar direitos fundamentais e legais dos servidores”, afirmou Geverson Grzeszczeszyn, presidente do Adunicentro.

SAÚDE

Em nota, o Sindicato dos Trabalhadores da Saúde Pública do Paraná (SindSaúde) afirmou que uma assembleia geral para definir se a categoria adere ao movimento ou não será realizada no dia 29 de junho. “Temos algumas opções de caminho a seguir, mas nenhum deles pode ser a inércia”, afirmou.

MEIO AMBIENTE

O Sindicato Estadual dos Trabalhadores Públicos da Agricultura e Meio Ambiente (SindiSeab) deliberou em assembleia a adesão à greve por tempo indeterminado a partir do dia 25 de junho.

SEGURANÇA

Servidores ligados ao Sindicato dos Agentes Penitenciários do Paraná (Sindarspen) devem votar a deflagração de greve nesta sexta-feira (21). Além do pagamento da data-base, os trabalhadores exigem uma proposta do Planos de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) da categoria.

Já o Sindicato das Classes Policiais Civis do Paraná (Sinclapol) está organizando uma carreata na capital paranaense na segunda-feira (24).

Veja Também