Guarapuava, 24 de junho de 2019
Cotidiano

Margareth Ziolla Menezes é a primeira mulher presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Paraná (CAU/PR). Ela tem encontro marcado com o secretário municipal de Habitação e Urbanismo

-

A nova presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Paraná (CAU/PR), arquiteta e urbanista Margareth Ziolla Menezes, tomará posse oficialmente na próxima terça-feira (23), durante a 87ª Reunião Plenária, que será realizada em Guarapuava.

Antes, na segunda-feira (22), ela tem encontro marcado com o secretário municipal de Habitação e Urbanismo, Flávio Alexandre, para quem vai apresentar a Lei Federal 11.888/2008, que garante assistência técnica pública e gratuita de arquitetos e urbanistas e engenheiros para projeto, reforma e construção de habitação de interesse social.

Segundo o último censo divulgado pelo Ministério das Cidades, em 2010, Guarapuava tinha um déficit total de 6.287 domicílios. De acordo com o Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça, de Proteção ao Meio Ambiente, Habitação e Urbanismo do Ministério Público Do Paraná – órgão que acompanha a elaboração e implementação dos Planos Locais de Habitação de Interesse Social nos municípios paranaenses – a cidade da região central do estado possui um plano de habitação de interesse social aprovado no ano de 2011.

A Lei de Assistência Técnica pode ser aplicada imediatamente nas cidades, mas se torna mais efetiva com o apoio da legislação municipal. Guarapuava, por exemplo, já possui o Fundo Municipal de Habitação de Interesse Social. “É uma oportunidade que se traduz no direito de todos à moradia em condições dignas”, justifica Margareth.

A presidente do CAU/PR ressalta que a Lei Federal 11.888/2008 é de autoria de um arquiteto e urbanista, o ex-deputado federal Zezéu Ribeiro – que faleceu em 2015. Ela destaca que a lei ainda é pouco aplicada no país. “Por isso, com o objetivo de estimular a produção de habitação social no Brasil, o CAU/PR, o CAU/BR e os demais CAU/UF destinam 2% de seus orçamentos anuais para financiar iniciativas de assistência técnica em habitação de interesse social”.

Neste mês, por exemplo, o Conselho realizou um seminário sobre o tema, em Curitiba. O evento pode ser conferido na íntegra AQUI.

PROPOSTAS

Formada pela Universidade Federal do Paraná e com 27 anos de profissão, Margareth Ziolla Menezes é reconhecida pelo trabalho em seu próprio escritório e pela atuação como funcionária da Receita Federal. No Ministério da Fazenda, a arquiteta e urbanista atuou por cerca de 10 anos e fiscalizou diversas obras de porte no estado. Desde 2014, ela é conselheira do CAU/PR e foi por 15 anos vice-presidente de Marketing da Associação Brasileira de Escritórios de Arquitetura – Regional Paraná (AsBEA/PR).

Eleita vice-presidente para a gestão 2018-2020, Margareth assumiu o cargo ainda em setembro devido à renúncia por motivos de foro íntimo do ex-presidente do Conselho, Ronaldo Duschenes.

Com a missão de promover a Arquitetura e Urbanismo para Todos e com o objetivo de tornar o CAU/PR reconhecido como referência na defesa e no fomento das boas práticas da profissão, a nova presidente traz propostas baseadas em um planejamento estratégico atualizado ao momento atual da Arquitetura e do Urbanismo no Paraná.

Dois objetivos estratégicos obrigatórios continuam sendo seguidos, que são “tornar a fiscalização um vetor de melhoria do exercício da Arquitetura e Urbanismo” e “assegurar a eficácia no atendimento e no relacionamento com os arquitetos e urbanistas e a sociedade”. Além desses, o CAUPR prioriza outros dois objetivos estratégicos locais: “assegurar a eficácia no relacionamento e comunicação com a sociedade” e “ter sistemas de informação e infraestrutura que viabilizem a gestão e o atendimento dos arquitetos e urbanistas e a sociedade”.

OPORTUNIDADES

Nesta gestão, o CAU/PR pretende estimular os arquitetos e urbanistas do estado a perceberem novas oportunidades de atuação profissional, como a Economia e Cidades Criativas e a Assistência Técnica para Habitação de Interesse Social (ATHIS).

Segmentos competitivos e de alto valor agregado, empreendedores inovadores, alta tecnologia, conhecimento formal e informal são as bases da Economia e Cidades Criativas. “A Arquitetura e o Urbanismo fazem parte do setor de serviços de alto valor agregado, os quais requerem pessoas talentosas e criativas, empreendedores inovadores e alta tecnologia de suporte”, enfatiza Margareth.

Já a Arquitetura Social é um mercado a ser explorado no Brasil. Segundo a pesquisa CAU/BR-Datafolha, apenas 7% das famílias brasileiras já utilizaram serviços de um arquiteto e urbanista e outros 70% dos brasileiros nunca contrataram, mas gostariam de contar com um profissional da área. Famílias das classes C, D e E são a maioria da população brasileira, só que ainda representam apenas uma pequena fatia entre os contratantes de arquitetos e urbanistas. “A especialização de um escritório de Arquitetura e Urbanismo para a população de menor renda envolve a atuação em moradias populares e habitações de interesse social. Esses nichos estão inseridos no campo de trabalho conhecido como Arquitetura Social. Vamos orientar os profissionais e as empresas do setor para investirem nessa área”, afirma a presidente do CAU/PR.

PRIMEIRA MULHER

Margareth Ziolla Menezes é a primeira arquiteta e urbanista a ser presidente do CAU/PR. Conforme mostra o Anuário do CAU/BR de 2018, dos 154.264 profissionais brasileiros do setor, 62,6% são mulheres.

Apesar de serem a grande maioria na Arquitetura e Urbanismo do país, só sete mulheres são presidentes de CAU, o que representa apenas 25% dos 28 Conselhos, entre 26 CAU/UF, CAU/DF e o CAU/BR.

No Paraná, dos 32 conselheiros eleitos titulares e suplentes, seis são mulheres, ou seja, 18,75% do total. Segundo Margareth, a participação das mulheres no dia a dia do Conselho é essencial. “A mulher, como parte fundamental e progenitora da família, é detalhista, sensível à necessidade do grupo e apaziguadora natural de situações conflitantes. Tem seu foco definido para as boas práticas de relacionamento familiar. No CAU, lidamos dia a dia com diversas decisões que causam impacto para os profissionais da Arquitetura e Urbanismo e, casualmente, esses profissionais têm a maioria compostos por mulheres”.

Por fim, a presidente do CAU/PR ressalta que a sua gestão será pautada especialmente pela ética, pelos atos e procedimentos legais e principalmente pela total transparência da gestão. “Também vamos buscar mais participação dos arquitetos e urbanistas do interior do estado no CAU/PR. Sabemos que eles realizam muitas iniciativas interessantes e que precisam ser compartilhadas com os profissionais da Grande Curitiba”, finaliza.

Veja Também