Cotidiano

Campanha de vacinação contra gripe termina na sexta-feira (15)

Desde o início da vacinação, em 23 de abril, 76,1% dos considerados prioritários buscaram os postos de saúde para receber a vacina contra a gripe
(Foto: Venilton Küchler)

A Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe termina nesta sexta-feira (15) e 12,7 milhões de pessoas que fazem parte do público-alvo ainda não se vacinaram. Desde o início da vacinação, em 23 de abril, 76,1% dos considerados prioritários buscaram os postos de saúde para receber a vacina contra a gripe. A meta do Ministério da Saúde é vacinar contra a gripe 54,4 milhões de pessoas.

Após o fim da campanha, caso haja disponibilidade de vacinas nos estados e municípios, a vacinação contra a gripe poderá ser ampliada para crianças de cinco a nove anos de idade e adultos de 50 a 59 anos. O Ministério da Saúde reforça a importância dos estados e municípios continuarem a vacinar contra a gripe os grupos prioritários, em especial, crianças, gestantes, idosos e pessoas com comorbidades, público com maior risco de complicações para a doença.

“É muito importante que as pessoas consideradas do grupo-prioritário procurem os postos para se protegerem contra a gripe. A vacina é a medida mais eficaz para evitar a doença e garante proteção às pessoas com mais risco de desenvolverem a forma grave da doença”, ressaltou a coordenadora do Programa Nacional de Imunizações, do Ministério da Saúde Carla Domingues.

Até 11 de junho foram vacinadas contra a gripe 41,7 milhões de pessoas. Este total considera todo o público estimado, englobando pessoas privadas de liberdade – o que inclui adolescentes e jovens de 12 a 21 anos em medidas socioeducativas –, funcionários do sistema prisional e pessoas com comorbidades. Dessas, 33,2 milhões são idosos a partir de 60 anos, crianças de seis meses a menores de cinco anos, trabalhadores de saúde, professores das redes pública e privada, povos indígenas, gestantes e puérperas (até 45 dias após o parto).

O público com maior cobertura da vacina até o momento é de puérperas, com 89,7%, seguido pelos professores (88,8%), idosos (84,3%) e indígenas (83,8%). Entre os trabalhadores de saúde, a cobertura de vacinação ficou em 82,5% e gestantes 64,4%. O grupo com menor índice de vacinação foram as crianças, entre seis meses e cinco anos, a cobertura é de apenas 59,9%.