Guarapuava, 24 de junho de 2019
Cotidiano

De acordo com a secretária de Educação e Cultura, Doraci Senger Luy, a vinda do colégio não é uma imposição aos guarapuavanos, mas uma opção para as famílias

-

A implantação de um Colégio da Polícia Militar do Paraná (CPM-PR) em Guarapuava foi discutida durante uma audiência pública na noite desta quinta-feira (23 maio). Reunindo autoridades e representantes de entidades do município, a reunião foi realizada na Câmara de Vereadores.

Na visão da secretária de Educação e Cultura, Doraci Senger Luy, a vinda da unidade de ensino não é uma imposição aos guarapuavanos, mas sim uma opção para as famílias. “É importante que tenhamos princípios e valores preservados. É importante dar opção a cada família, e isso é democracia”, argumentou a titular da pasta.

De forma semelhante, o subcomandante do 16° Batalhão de Polícia Militar (BPM), major Cubas, ressaltou que o CPM o auxiliou no desenvolvimento de características como honestidade, lealdade, amizade, companheirismo e conhecimento.

“Qualidades que, infelizmente hoje, em nosso país, em nosso estado, caíram em descrédito. O CPM visa o resgate dos valores morais que ainda estão no meio das nossas famílias, e isso aconteceu comigo”, apontou, ressaltando que nem todos os alunos optam pela carreira militar.

“Não visa a militarização dos alunos. Bem pelo contrário, ele explora a consciência, ele vem explorar a iniciativa, características do desenvolvimento”, completou.

ARTICULAÇÃO

A deputada estadual Cristina Silvestri (Cidadania), que articulou a instalação do colégio junto com a Secretaria de Estado de Educação (Seed), apontou que a vinda da unidade de ensino é uma resposta a um anseio popular.

“Em 2017, eu entrei com o pedido [...] da mesma forma que o deputado Artagão Júnior pediu, da mesma forma que o saudoso Bernardo [Carli] pediu, porque ouviram a população, e nós sentimos que uma grande maioria das famílias e das pessoas gostaria dessa opção”, relatou a parlamentar.

Em sua fala, Cristina ressaltou que a cidade é uma das mais importantes do Paraná, e que não pode ficar sem um colégio militar.

“Além de sua grade curricular [...] também tem a grade extracurricular, que tem como objetivo também preparar os alunos para o esporte e para a cultura, e além da grade tem o objetivo de preparar para a vida e a sociedade, formando cidadãos”, apontou.

Audiência ocorreu no Plenário da Câmara de Vereadores de Guarapuava (Foto: Reprodução)

EDUCAÇÃO

Após a apresentação da estrutura do colégio pelo major Toniolo, coordenador do CPM do Paraná, a vereadora Professora Terezinha (PT) afirmou que se todas as unidades de ensino tivessem acesso aos mesmos investimentos dos colégios militares, os resultados seriam semelhantes em toda a educação pública. “Nós entendemos que essa é a estrutura que todas as escolas devem ter, e me preocupa muito a ideia de militarizar os colégios”, disse.

Além disso, a petista ressaltou que vê inconstitucionalidade no processo de seleção para os alunos do CPM, uma vez que o ensino deve ser universal.

“Privilegia a entrada e a permanência de alguns quando faz o teste, e nesse sentido nós discordamos”, pontuou, afirmando que “a obrigação do Estado é investir em todas as escolas”.

Veja Também