Prêmio Sesc de Literatura abre inscrições para escritores iniciantes

Os vencedores terão as obras publicadas e distribuídas pela editora Record, parceira do Serviço Social do Comércio (Sesc) no projeto, com tiragem inicial de 2,5 mil exemplares

Autores com obras inéditas nas categorias de romance e contos têm até o dia 11 de fevereiro para se inscreverem na edição 2022 do Prêmio Serviço Social do Comércio (Sesc) de Literatura.

Os vencedores terão as obras publicadas e distribuídas pela editora Record, parceira do Serviço Social do Comércio (Sesc) no projeto, com tiragem inicial de 2,5 mil exemplares. O anúncio dos vencedores será divulgado em maio próximo. Desde a criação, mais de 17 mil livros foram inscritos e 33 novos autores ganharam destaque.

“A premiação foi criada em 2003 e se consolidou como a principal do país para autores iniciantes. No ano passado, tivemos a inscrição de 1.688 livros, sendo 850 em romance e 838 em conto. O cronograma não foi afetado pela pandemia, porque foi todo executado por trabalho remoto. Dessa forma, o resultado pôde ser divulgado no prazo previsto”, afirmou o analista de Literatura do Departamento Nacional do Sesc, Henrique Rodrigues.

AVALIAÇÃO
Os livros são inscritos pela internet, gratuitamente, de forma anônima, o que impede que os reais autores sejam reconhecidos, o que garante, segundo Rodrigues, a imparcialidade no processo de avaliação. Os romances e contos são avaliados por escritores profissionais renomados, que selecionam as obras pelo critério da qualidade literária.

Na edição do ano passado, foram vencedores o paraense Fábio Horácio-Castro, jornalista de formação e professor universitário, com o romance “O réptil melancólico”; e o também jornalista pernambucano Diogo Monteiro, com a coletânea de contos “O que a casa criou”.

As inscrições são gratuitas, estão abertas desde segunda-feira (10) e podem ser feitas pelo site do evento (https://www2.sesc.com.br/portal/site/premiosesc). O Prêmio avalia trabalhos com qualidade literária para edição e circulação nacional.

Fábio Horácio-Castro e Diogo Monteiro venceram na edição de 2021 (Foto: Divulgação/Montagem)

2021
Em 2021, o prêmio consagrou o romance “O réptil melancólico”, do jornalista paranaense e professor universitário Fábio Horácio-Castro (52 anos); e o livro de contos “O que a casa criou”, do pernambucano Diogo Monteiro (43 anos), que também é jornalista e atua com pesquisa de opinião e estratégia.

No caso de “O réptil melancólico”, é uma obra que trata de colonialidade, colonialismo e colonização, das alegorias sobre a Amazônia e da Amazônia como alegoria. A narrativa parte do retorno de Felipe para sua cidade, após longa estadia fora do país. Ele seguira para o exílio na primeira infância, levado por sua mãe, militante política perseguida e torturada pelo regime militar brasileiro. Nesse processo de retorno, restabelece contato com a família paterna, particularmente com seu primo Miguel, que está fazendo o caminho oposto: o de partir da cidade.

Já “O que a casa criou” é um livro sobre o espanto. Todos os seus 16 contos, inclusive o que dá nome ao volume, tratam de alguma forma sobre a possibilidade de encontrar o inusitado a qualquer momento, na virada de uma esquina ou no abrir de uma porta. São histórias sobre a fragilidade do real e do nosso confortável conceito de realidade, e sobre como a quebra dessa normalidade age sobre pessoas, lugares e coisas.

************Reportagem: Ag. Brasil, com acréscimo de informações da Redação