Oficina do Laboratório de Ideias ensina técnicas de fotografia e economia criativa

O responsável por ministrar a oficina foi o professor Andy Troc. O fotógrafo apresentou conceitos que foram muito além da teoria e da prática, mostrando técnicas surgidas de muita curiosidade, com utilização de outros recursos para produzir uma boa fotografia

A primeira Oficina de Fotografia do LAB (Laboratório de Ideias da Prefeitura de Guarapuava), evento realizado na Casa da Cultura, reuniu pessoas de diversas idades, todas compartilhando de uma mesma paixão: fazer fotos, através de uma câmera fotográfica ou com o celular. Foram dois encontros na semana, o último, neste sábado (26), sobre efeitos ópticos de iluminação artificial e técnicas básicas de iluminação natural.

O responsável por ministrar a oficina foi o professor Andy Troc. O fotógrafo apresentou conceitos que foram muito além da teoria e da prática, mostrando técnicas surgidas de muita curiosidade, com utilização de outros recursos para produzir uma boa fotografia. Os participantes puderam entrar em contato com equipamentos profissionais, e outros que surgiram da reciclagem e criatividade do professor.

Para Andy, o projeto do LAB, modelado para desenvolver a inovação tecnológica, tem o objetivo de proporcionar atividades como essa não apenas para estimular a cultura através do ensino prático, mas incentivar os participantes a criarem novos espaços no segmento a partir da economia criativa.

“Guarapuava é um celeiro de talentos dentro da área do audiovisual, e a intenção dessas oficinas não é apenas difundir a fotografia como arte ou para quem deseja praticar, mas também está focado em fortalecer o nosso mercado de economia criativa para que cada vez mais surjam talentos, e assim consigamos elevar o nosso município para além da inovação, através da indústria criativa”, destacou.

(Foto: Secom)

IDADES

As atividades ligadas à Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Inovação e o Departamento de Cultura despertam o interesse de pessoas de diferentes idades, a exemplo disso, dona Nilza de 62 anos de idade participa das oficinas do LAB sobre fotografia desde 2009 e, para ela, fotografar o cotidiano é uma arte.

“Eu me inscrevo nas oficinas desde o início, quando ainda era lá na Casa Amarela e, procuro participar de todas, pois fotografar o meu cotidiano é maravilhoso e não é apenas importante nesse quesito, para quem quer ser um fotógrafo profissional ou não, essas oportunidades ajudam muito. Aqui aprendemos técnicas diferenciadas e que conseguimos aplicar no nosso dia a dia, deixando o nosso registro ainda mais bonito”, destacou.