Clássico ‘Coração das Trevas’ ganha nova edição em português pela DarkSide

Romance de Joseph Conrad serviu de base para a obra-prima do cinema “Apocalipse Now” (1979). Com lançamento para 19 de maio, livro tem ilustrações de Braziliano Braza e vem com o extra “Diários do Congo”

“O horror, o horror!”. Esta frase dita pelo Coronel Kurtz ficou famosa em “Apocalipse Now” (1979), obra-prima dirigida por Francis Ford Coppola.

Nesse filme, o capitão Willard (Martin Sheen, pai do Charlie) precisa subir um rio vietnamita, durante a Guerra do Vietnã, com a missão de localizar e matar um oficial americano de alta patente (Marlon Brando), que supostamente perdeu a razão, abandonou o Exército e agora domina, como um tirano paternalista, um povoado local – onde é cultuado como uma divindade.

Classificado como um dos melhores filmes de guerra de todos os tempos, “Apocalipse Now” (que teve versões especiais) é baseado no livro “Coração das Trevas”, de Joseph Conrad (1857-1924). Tal obra literária ganha em 2021 uma nova edição brasileira; o lançamento está programado para 19 de maio.

Desta vez, o projeto está a cargo da DarkSide Books, editora famosa pelo capricho de seus produtos. Segundo informações de divulgação, a edição de “Coração das Trevas” é enriquecida pelas belas ilustrações de Braziliano Braza, e conta ainda com os “Diários do Congo”, nos quais Conrad se baseou para a escrita do romance, um ensaio de Virginia Woolf sobre o autor, e um posfácio do pesquisador Carlos da Silva Jr., no qual ele discorre sobre os resquícios coloniais que persistem ainda hoje. “Na África, na Europa ou nas Américas, a disputa pela memória continua viva, vibrante, e a nova edição de ‘Coração das Trevas’ nos ajuda a lembrar desse episódio sangrento e cruel na história da humanidade”, afirma o pesquisador.

GÊNESE
Em meados dos anos de 1870, o rei Leopoldo II da Bélgica passou a promover supostas expedições humanitárias e científicas para “civilizar os selvagens” que habitavam o Congo. No entanto, o monarca apenas explorava o país: escavava o ouro, abatia elefantes em busca do marfim, promovia caçadas esportivas e devastava a floresta nativa. A riqueza produzida seguia diretamente para os cofres pessoais do rei. Além disso, essa exploração era realizada por meio de crueldades com os habitantes nativos, que morriam de fome, de doenças e por excesso de trabalho, ou sofriam torturas, estupros e massacres perpetrados pelos europeus.

No ano de 1890, quase no fim de sua carreira marítima, o polonês Joseph Conrad desceu o rio Congo como capitão de uma embarcação a vapor. A experiência viria a marcá-lo pelo resto da vida. Ao chegar no Congo, Conrad encontrou apenas o horror em suas diversas facetas, o horror praticado pelos agentes da civilização, o horror absoluto.

Ele rompeu o contrato de três anos e retornou à Inglaterra depois de apenas seis meses. Anos depois, baseando-se na experiência, escreveu o romance “Coração das Trevas”, em que o capitão Marlow relata sua viagem pelo grande rio africano para o resgate de um gerente de posto de comércio chamado Kurtz.

Capa da nova edição (Foto: Reprodução)

SIMBOLOGIA
Mais que simplesmente um relato de viagem, “Coração das Trevas” é também “uma obra metafórica, simbólica, que durante todo o século gerou interpretações psicanalíticas, políticas, filosóficas, de estudos de gênero, culturais, pós-coloniais”, como afirma o tradutor Paulo Raviere na introdução do volume.

Seu estilo vivaz, exuberante e revolucionário o transformou em um clássico moderno, um dos livros mais importantes do século 20. Além disso, “Coração das Trevas” foi também uma das primeiras denúncias do genocídio belga.

Para o filme “Apocalipse Now”, Coppola deslocou a história do livro para o contexto da Guerra do Vietnã (1955-1975), desvelando as sandices de um conflito armado.

AUTOR
Filho de poloneses, Joseph Conrad nasceu Józef Teodor Konrad Korzeniowski no ano de 1857 em Berdyczew, atualmente na Ucrânia, na época dominada pelo Império Russo. Devido às atividades insurgentes do pai, que também era poeta e tradutor, passou parte da infância exilado na Rússia com a família. Pouco depois ficou órfão e passou a ser criado por um tio. Em 1874 mudou-se para Marselha, na França, onde iniciou uma carreira na Marinha Mercante.

A partir de 1878, Conrad estabeleceu-se definitivamente na Inglaterra, onde adquiriu a cidadania em 1886, ano em que também começou a se dedicar à escrita. Muito embora só tenha aprendido inglês na vida adulta, produziu uma vasta obra no idioma, composta por romances, contos, ensaios e dois livros autobiográficos. Entre seus principais livros estão “Juventude”, “Coração das Trevas”, “Lorde Jim” e “Nostromo”.

SERVIÇO
A nova edição de “Coração das Trevas” está em pré-venda (R$ 54,90), no site da DarkSide.

*******Com informações de assessoria