Produção de hortaliças rendeu R$ 275 milhões a Guarapuava em 2019

O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) das hortaliças foi liderado pela batata, com R$ 220 milhões; em seguida aparecem o tomate, com quase R$ 24 milhões, e a cebola, com R$ 18,5 milhões

A produção de batata, tomate e cebola alavancou o Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) das hortaliças do município de Guarapuava na safra de 2019, que já tem dados consolidados pela Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento (Seab).

No total, foram R$ 275 milhões, sendo que os rendimentos foram de R$ 220 milhões, na batata, cerca de R$ 24 milhões, no tomate, e R$ 18,5 milhões, na cebola.

Em reportagem publicada no dia 3 de julho, o jornal Folha de Londrina destacou que São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), liderou a produção naquele ano, com 319 mil toneladas; o rendimento foi de R$ 528 milhões, praticamente o dobro de Guarapuava, que ficou em segundo lugar.

Mas, diferente do município da RMC, a “terra do lobo bravo” tem protagonismo sobretudo na produção de batata-inglesa. Para se ter uma ideia, o plantio ocorreu numa área de 3,5 mil hectares, com produção superior a 127,4 mil toneladas.

“Em 2019, foi o segundo produto que mais deu renda para o município. A soja em primeiro, a batata em segundo”, explica o técnico do Departamento de Economia Rural (Deral), Dirlei Antonio Manfio. Na época, a saca do tubérculo foi comercializada, em média, a R$ 86.

A safra das hortaliças em Guarapuava – incluindo, além dos líderes, culturas como abóbora, alface, alho e afins – teve área de 4,3 mil hectares e produção de 155,5 mil toneladas.

(Foto: Gilson Abreu/AEN)

DESTAQUES
Ao lado da batata, o VBP de 2019 indica resultados positivos na cultura do tomate, que apesar da área pequena – estimada em 126 hectares -, teve um bom valor agregado na produção de 7,2 mil toneladas, gerando cerca de R$ 24 milhões para Guarapuava.

Em terceiro lugar, a cebola teve uma área de 330 hectares, com uma produção de 13,2 mil toneladas, e um valor da ordem de R$ 18,5 milhões.

“O que nós mandamos para fora [de Guarapuava] é batata, cebola e tomate. O resto [das hortaliças] é vendido aqui no município, praticamente”, afirma Manfio.

PROTAGONISTA
O técnico do Deral ressalta que Guarapuava é o maior produtor de batata-inglesa no Paraná, respondendo por aproximadamente 16,2% da produção estadual – dado referente a 2019. Inclusive, mesmo tendo bons resultados na primeira safra, a segunda teve mais área e um valor mais elevado, segundo uma análise elaborada pelo Núcleo Regional da Seab.

“A Regional de Guarapuava é a segunda maior produtora de batata-inglesa do Paraná, só perdendo para a Regional de Curitiba. Em valores nominais, Guarapuava é a maior geradora de renda bruta, pois produz mais tubérculo na segunda safra, recebendo os melhores preços por ser entressafra. Nesta safra, a região de Guarapuava respondeu por 31,5% do VBP da batata e a Regional de Curitiba 24,7%”, diz o documento.