Vigilância Ambiental divulga primeiro levantamento de 2022 sobre infestação pelo mosquito da dengue

Foram detectados 6 focos, 25 larvas e 8 pupas. Os focos positivos foram encontrados nos seguintes bairros: 2 deles no Batel, outros 2 no Tancredo Neves, um no Industrial e mais um na Vila Bela

O Departamento de Vigilância em Saúde, através da Divisão de Vigilância Ambiental, utiliza métodos indispensáveis na prática do combate e prevenção ao Aedes Aegypti. Os dados englobam o panorama de casos na cidade, o Sistema de Alerta Climático de Dengue (SACDENGUE), o número de focos positivos e Levantamento Rápido de Índices para Aedes Aegypti (LIRAa).

“Tanto o SACDENGUE quanto o LIRAa são de extrema importância na identificação dos focos aqui em Guarapuava. Os dados disponibilizados nos oferecem uma métrica, que nos ajuda identificar com maior facilidade os principais criadouros”, explica Suzana de Souza, chefe da Divisão de Vigilância Ambiental.

RESULTADOS

O SACDENGUE, é um sistema de alerta relacionado às condições de risco climático no Paraná, permitindo identificar a formação de situações meteorológicas favoráveis à reprodução e atuação do Aedes aegypti. De acordo com a análise feita entre os dias 16 e 22 de janeiro, Guarapuava apresenta risco médio no desenvolvimento de focos do mosquito.

Já o LIRAa, que é realizado 6 vezes por ano aqui no município, consiste em um método simplificado para a obtenção rápida de indicadores entomológicos, que auxiliam na identificação dos criadouros do mosquito. Em Guarapuava, foram analisados cerca de 725 imóveis, entre 3 e 13 de janeiro.

Foram detectados 6 focos, 25 larvas e 8 pupas. Os focos positivos foram encontrados nos seguintes bairros: 2 deles no Batel, outros 2 no Tancredo Neves, um no Industrial e mais um na Vila Bela.

HISTÓRICO

Não foram confirmados casos de dengue em Guarapuava. Até o momento, foram realizadas 7 notificações. Destes, 5 casos suspeitos foram descartados e 2 continuam em investigação.