Regional do Crea-PR de Guarapuava debate propostas dos profissionais

As sugestões escolhidas serão debatidas posteriormente em um congresso nacional; o objetivo é ouvir a categoria das engenharias, agronomia e geociências

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea-PR) de Guarapuava realizou nesta terça-feira (10) a Reunião Preparatória Regional para o 11º Congresso Estadual de Profissionais, que ocorrerá em julho em Foz do Iguaçu.

O encontro que reuniu profissionais das áreas de engenharias, agronomia e geociências ocorreu no auditório do Centro Universitário Campo Real. De acordo com a coordenadora do Congresso Estadual, a engenheira civil Lígia Rachid, a reunião tem como objetivo a apresentação e apreciação das propostas que foram levantadas pelos profissionais nas Reuniões Preparatórias Iniciais, que no caso da regional de Guarapuava, foram realizadas além da sede, em Irati, Laranjeiras do Sul e União da Vitória.

Os profissionais fazem suas propostas nas reuniões preparatórias regionais e depois é encaminhado para o congresso estadual. “Lá serão tiradas as propostas, são 15 propostas que serão levadas para congresso nacional. Algumas coisas ficarão dentro do próprio sistema para ser ajustado nas resoluções, outras serão encaminhadas para o executivo, o legislativo”.

De acordo com o gerente do regional do Crea em Guarapuava, Thyago Giroldo Nalim, no Paraná já foram coletadas várias sugestões de melhorias por parte das categorias. “Tanto a nível de normativa interna que se refere especificamente às nossas profissões, como também as legislações, as políticas públicas que possam impactar diretamente a sociedade”.

Conforme Thyago, o Conselho, através das inspetorias, já realizou 35 reuniões no Estado, debatendo e elaborando as propostas que os profissionais entendem como mais pertinentes em suas regiões. Ainda segundo ele, a regional de Guarapuava que congrega 40 cidades, recebeu cerca de 22 sugestões.

“Algumas já foram internalizadas pelo próprio conselho regional que tem autonomia para analisar algumas questões e as 17 que temos até agora serão debatidas hoje. Nós precisamos priorizar 12 para encaminhar para a etapa estadual”, disse.

Na regional de Guarapuava, segundo Thyago, as ideias que surgiram têm uma abrangência um pouco maior, que embarcam todas as categorias. “Também tem algumas, por exemplo, de desenvolvimento regional. Tem proposta sobre melhorias no sentido de fomentar o desenvolvimento regional na área de transporte que envolva, rodovias, ferrovias, hidrovias, aeroportos e a gente tem propostas internas que são comuns a todas as categorias”, contou o gerente.

Foto: Redação/Correio

CONGRESSO
Para a coordenadora do congresso estadual, Lígia Rachid, as reuniões como a que ocorre em Guarapuava, servem como um filtro onde os participantes votam e depois as mais votadas são levadas adiante. Além disso, ela acredita que a etapa estadual serve para mostrar o que pensam e esperam as categorias que compõem o Crea-PR.

“Esse congresso vem para os profissionais do sistema, para serem colocadas propostas que possam ser levadas para o Congresso Nacional depois, e trata-se dos anseios, das vontades que esses profissionais têm. Com relação a algumas coisas que não estão satisfeitos e propostas, por exemplo, ao que pode ser feito em relação à lei da engenharia”.

Ela também destaca que há eixos temáticos que estão sendo utilizados como um norte para as sugestões. “Focado nas estratégias de desenvolvimento nacional. Nessas, nós temos três eixos que são infraestrutura, atuação profissional e inovações, então é nessas áreas que esses profissionais estão fazendo as propostas que são voltadas para as políticas públicas”, pontuou.

Foto: Assessoria

REGISTROS
Em evento paralelo, o Crea-PR entregou 30 registros para novos profissionais formados pelo Centro Universitário Campo Real. O evento contou com a presença de professores, representantes do presidente do Crea-PR e da equipe da regional de Guarapuava.