Paraná se prepara para vacinação de adolescentes e dose reforço contra Covid-19

A estimativa de quantas pessoas estão elencadas nestes grupos está sendo discutida entre a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) e o Ministério da Saúde e deve ser formalizada nos próximos dias

O Paraná deve receber vacinas contra a Covid-19 direcionadas para o início da imunização de adolescentes de 12 a 17 anos, e dose reforço para idosos e imunossuprimidos, a partir de 15 de setembro. A informação foi confirmada pelo secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, em coletiva de imprensa nesta quinta-feira (9).

“Já atingimos mais de 90% da população adulta vacinada com pelo menos uma dose e estamos prontos para avançar. A vacinação dos adolescentes e a dose reforço em pessoas mais vulneráveis ao vírus irá aumentar o escudo imunológico contra a doença em todo o Estado, salvando centenas de vidas”, disse o secretário.

A estimativa de quantas pessoas estão elencadas nestes grupos está sendo discutida entre a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) e o Ministério da Saúde e deve ser formalizada nos próximos dias.

Segundo Beto Preto, o Estado deve iniciar as novas estratégias assim que chegarem as doses destinadas para este fim. “As doses específicas para adolescentes e reforço devem ser enviadas nas pautas de distribuição realizadas a partir de 15 de setembro. Não há como fixar uma data para este início porque dependemos do envio do Ministério da Saúde, mas assim que chegarem as doses, descentralizaremos para os municípios e faremos chegar até o braço dos paranaenses”, explicou.

ADOLESCENTES

A inclusão de adolescentes de 12 a 17 anos no Plano Nacional de Imunizações (PNI) foi formalizada pelo Ministério da Saúde por meio da nota técnica nº 36/2021.

A orientação do Governo Federal determina que seja utilizado exclusivamente o imunizante Comirnaty do fabricante Pfizer/Wyeth, obedecendo a seguinte ordem de prioridade: deficiências permanentes, comorbidades, gestantes e puérperas, privados de liberdade e por fim, adolescentes sem comorbidades.

O documento considera que “o avanço da vacinação no país permitiu a conclusão da vacinação dos grupos prioritários e que há previsão de que até 15 de setembro a pasta conclua o envio de doses suficientes para vacinar 100% da população maior de 18 anos com pelo menos a primeira dose”.

DOSE REFORÇO

O Governo Federal deve enviar doses adicionais para reforço do esquema vacinal em idosos acima de 70 anos (que tenham recebido a segunda dose ou dose única há pelo menos seis meses) e imunossuprimidos – pessoas com sistema imunológico mais enfraquecido e vulnerável a infecções – (após 28 dias da segunda dose ou dose única) também a partir de 15 de setembro.

A administração da dose reforço ou 3ª dose foi orientada pelo Ministério da Saúde na nota técnica nº 27/2021. O documento destaca que “neste momento é preciso reconsiderar as estratégias de vacinação em determinados grupos de maior vulnerabilidade, visto que está sendo observado um incremento de morbimortalidade nas últimas semanas nestes públicos”.

A publicação também considera que idosos e indivíduos com alto grau de imunossupressão apresentaram menor proteção pelo esquema padrão da vacinação aos mais diversos tipos de imunizantes e que existe a necessidade de urgência da adequação do esquema vacinal nestes grupos devido ao risco elevado de complicações e óbitos pela Covid-19.

A vacina a ser utilizada como dose adicional deverá ser, preferencialmente, da plataforma de RNA mensageiro (Pfizer/Wyeth) ou, de maneira alternativa, vacina de vetor viral (Janssen ou AstraZeneca).