Guarapuava registra chuvas abaixo do normal para dezembro

Mas esta segunda-feira (3) foi de trégua, com chuvas intensas principalmente no horário do almoço: 30 mm, segundo o Simepar. A expectativa para janeiro é de que as chuvas fiquem dentro da média prevista para o período no Paraná

A segunda-feira (3) foi bastante chuvosa em Guarapuava, dando uma trégua ao calor e à estiagem. Segundo o Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar), as chuvas se concentraram entre meio dia e 14h, com precipitação acumulada em 30 mm.

É um cenário bem diferente do mês passado. Em dezembro de 2021, o maior município do terceiro planalto paranaense registrou 59 mm, bem abaixo da média de 178,7 mm para o período; ou seja, 33%. Retrato do Paraná, pois o Estado está em situação de emergência hídrica desde maio de 2020.

Um levantamento realizado Simepar mostra que a chuva acumulada no último mês de 2021 em 12 cidades de diferentes regiões foi de 941,2 milímetros (mm), ante uma expectativa de 2.029,6 mm. Ou seja, menos da metade do que era esperado para o período (46%).

O recorte é uma amostra da situação no Estado. O monitoramento foi feito em Antonina, Curitiba, Ponta Grossa, Guarapuava, Londrina, Maringá, Francisco Beltrão, Paranavaí, Umuarama, Cornélio Procópio, Cascavel e Foz do Iguaçu. Ao longo de 2021, o Paraná superou a média histórica estipulada somente em janeiro e outubro.

“É preciso lembrar a população de que a água potável deve ser consumida prioritariamente para alimentação e higiene pessoal e que é importante, por exemplo, reaproveitarmos a água utilizada na máquina de lavar para a limpeza da casa, da área externa e calçadas”, afirma o diretor-presidente da Sanepar, Claudio Stabile.

Diante da emergência hídrica vivida desde maio de 2020 no Paraná, a recomendação é economizar água (Foto: Sanepar)

A estiagem em dezembro castigou mais os municípios localizados na parte Oeste do Paraná. Umuarama, por exemplo, registrou precipitação acumulada de apenas 1 mm ao longo dos 31 dias do mês. Cascavel fechou com 2,8 mm e Maringá com 11,2 mm. A chuva foi um pouco mais generosa na fatia Leste. Ainda assim, dentro do conjunto de cidades mapeado pelo Simepar, apenas Antonina, no Litoral, conseguiu superar a expectativa – acumulado de 311,4 mm, 14% acima da média.

“O lado Oeste foi mais castigado por depender da umidade amazônica, das regiões tropicais mais ao Norte do País. O fluxo foi prejudicado por alguns motivos como o desmatamento da Amazônia, o que muda o clima e atrapalha a chegada das frentes ao Paraná”, alertou o meteorologista do Simepar, Fernando Mendonça Mendes.

A localização geográfica beneficiou Curitiba. A Capital ficou bem perto da média histórica, com precipitação acumulada de 120 mm, 7 mm a menos do que a média (94,5%). A água a mais ajuda a aumentar os níveis das barragens que abastecem a população da Região Metropolitana de Curitiba (RMC). De acordo com a companhia, o atual índice das barragens é de 67,82%, composto pela média do Iraí (64,95%), Passaúna (59,38%), Piraquara 1 (76,02%) e Piraquara 2 (86,38%).

Ainda assim, a cidade segue com restrições no abastecimento. Em rodízio no fornecimento desde 2020, o modelo em vigor atualmente é de 60 horas com água e interrupção também de 36 horas – após suspensão temporária no fim de ano, o modelo será retomado em toda a região a partir desta terça-feira (04).

Em outras regiões do Estado, o rodízio está implantado em Nova Laranjeiras, Dois Vizinhos, Pranchita e Santo Antônio do Sudoeste, devido à baixa vazão de rios e poços.

JANEIRO
A expectativa para janeiro é de que as chuvas fiquem dentro da média prevista para o período. Condição que deve prevalecer ao longo da primeira quinzena do mês, sem apresentar, contudo, perspectiva de eventos mais severos. “Entramos em uma fase de normalidade, dentro de um ritmo previsto. Na Região Norte, inclusive, deve chover pouco acima da média em janeiro. Os indicadores melhoraram, mas ainda é preciso atenção e cuidados por parte da população”, disse Mendes.

PREVISÃO
Segundo o Simepar, a semana deve ser de mau tempo em Guarapuava. Até domingo (9), a probabilidade de cair água varia de 50% a 98%; mas com precipitação acumulada baixa para a semana. Caso a previsão se confirme, deve chover em torno de 35 mm na soma de todos os dias.

Inclusive, esta terça-feira (4) será mais um dia típico de verão no Paraná. Pela manhã, o sol aparece com força e esquenta rápido. A partir da tarde, áreas de instabilidade ganham força sobre os diversos setores, provocando chuvas isoladas e rápidas. Em vários pontos as precipitações podem ser fortes.

Na “terra do lobo bravo”, uma terça com previsão de 11.5 mm e chance de 98% para as chuvas. A temperatura varia entre 19º C (mínima) e 24º C (máxima). Já na quarta, mais água (5.9 mm) e probabilidade de 91% para mau tempo; termômetros entre 18º C e 25º C.