Governo mobiliza população para o plantio de 400 mil mudas de árvores nativas

Ação comemorou o Dia da Árvore. Houve plantio nos municípios com mudas produzidas nos viveiros do Instituto Água e Terra (IAT) e distribuição pelos escritórios regionais do órgão. Foi firmada, ainda, parceria com uma organização não governamental que produz mudas de espécies ameaçadas de extinção

O Paraná comemorou o Dia da Árvore nesta terça-feira (21 setembro), com o plantio de cerca de 400 mil mudas de espécies nativas na Capital e no Interior, com a participação da população. A mobilização foi do Governo do Estado e as mudas foram distribuídas pelo Instituto Água e Terra (IAT), que possui 19 viveiros florestais e dois laboratórios de sementes de árvores nativas.

A ação fez parte do programa Paraná mais Verde, que atua para ampliar a cobertura vegetal do Paraná com foco na arborização urbana e rural. No Interior, as ações de distribuição e plantio de mudas foram organizadas pelos 21 Escritórios Regionais do IAT. Desde 2019, mais de 3,8 milhões de mudas foram distribuídas pelos viveiros florestais do Instituto.

No Parque Municipal de São José dos Pinhais (Região Metropolitana de Curitiba), o plantio de araucárias contou com a participação de idosos do programa Comunidade Ativa e de crianças da Escola Municipal Santa Rita.

O secretário do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes, também participou, junto com a prefeita Elizabeth Nina Singer. Além do plantio de araucárias, o evento foi marcado pela soltura de 50 balões biodegradáveis com sementes de araçá-amarelo, uma referência ao Setembro Amarelo.

Márcio Nunes lembrou que o plantio de mudas nativas aconteceu simultaneamente em praticamente todos os municípios do Paraná. “Somente nesta terça estamos plantando cerca de 400 mil mudas de árvores nativas. Pelo Paraná Mais Verde, temos condições de produzir cerca de 3 milhões de mudas, de mais de 100 espécies nativas. Precisamos da ajuda dos paranaenses para que essas árvores sejam plantadas”, disse. “Quando falamos em desenvolvimento sustentável, precisamos falar em duas ações: a preservação e a recuperação da flora e da fauna como um todo”.

Os participantes receberam um folder do programa com informações sobre como fazer o plantio de maneira correta. De acordo com a prefeita, a atual crise hídrica mostra a necessidade de mais árvores. “Mais do que nunca precisamos cuidar do meio ambiente e mudar nossas atitudes. Além de plantar árvores, é importante lembrar dos pequenos gestos do dia a dia que fazem a diferença, como não jogar lixo no chão”, afirmou, dirigindo-se às crianças.

(Foto: Alessandro Vieira/Sedest)

NOVA PARCERIA
Na solenidade do Dia da Árvore, Nunes também assinou uma Declaração de Parceria com a Sociedade Chauá, organização não governamental de Curitiba que possui um viveiro de mudas, com expertise na produção de espécies ameaçadas em extinção.

Com a parceria, o Instituto Água e Terra visa ampliar a produção de mudas de espécies ameaçadas para também fornecê-las nos seus viveiros florestais. O gerente de Restauração Ambiental do IAT, Mauro Scharnik, afirmou que a parceria resultará em troca de experiências técnicas e em cursos e capacitações que as duas instituições desenvolverão.

“A nossa expertise em produção de mudas nativas, com a expertise da Sociedade Chauá em produção de espécies nobres, ameaçadas de extinção, é uma soma de esforços para ampliar o leque de espécies a serem ofertadas para a recuperação de áreas degradadas no Paraná”, disse.

O diretor executivo da Sociedade Chauá, Pablo Melo Hoffmann, ressaltou o papel do órgão ambiental estadual na produção de mudas e na disseminação de informações para a sociedade. “É uma instituição muito importante pelo volume de produção e tecnologia que possui para a produção de mudas nativas. Quando procuramos informações sobre espécies nativas é difícil de encontrar, e o IAT produz essas informações”, destacou.

Na mesma solenidade, o secretário, o diretor-presidente do IAT, Everton Souza, e o diretor de Patrimônio Natural do IAT, Rafael Andreguetto, também assinaram uma Instrução Técnica que padroniza critérios e procedimentos para a coleta de sementes de espécies nativas em Unidades de Conservação.