Cultura

Quadrinista brasileiro adapta clássico de Orwell para as páginas do gibi

Recém-lançado, o livro ‘A revolução dos bichos’ é uma adaptação brasileira do clássico homônimo da literatura escrito por George Orwell e publicado em 1945. Aliás, é a primeira versão comercial em HQ da famosa alegoria com animais
(Foto: Reprodução)

George Orwell em quadros feitos de papel e tinta acrílica. A versão em quadrinhos do clássico da literatura universal “A revolução dos bichos” é de encher os olhos e perturbar a mente, como uma boa obra de ficção deve ser.

Produzido pelo quadrinista gaúcho Odyr, com tradução do texto original por Heitor Aquino Ferreira, o trabalho é uma adaptação do livrinho do escritor britânico George Orwell (1903-1950) para o universo das HQs. O material brasileiro é um lançamento recente do selo Quadrinhos na Companhia, da editora Companhia das Letras. Aliás, é a primeira vez que “A revolução dos bichos” ganha uma adaptação comercial para os quadrinhos.

Segundo o jornal “O Estado de S. Paulo”, o livro foi negociado pela editora brasileira com a agência do espólio do escritor, geralmente refratário a esse tipo de projeto.

Tal como no texto original, a HQ de Odyr inicia com uma rebelião organizada pelos animais da Granja Solar, que estão cansados da vida miserável e de exploração imposta pelos humanos donos do lugar. Desse modo, os bichos se rebelam e tomam conta do pedaço, criando um novo sistema de governo mais igualitário.

Ao narrar a insurreição dos animais de uma granja contra seus donos, a obra mostra como o conflito os leva a uma tirania ainda mais opressiva que a dos humanos. Pois os porcos - os animais mais inteligentes, líderes da revolução - começam a criar e usufruir de um sistema de privilégios que pouco a pouco leva a vida de volta ao que era antes.

DESAFIO

Segundo a Companhia das Letras, o artista Odyr passou os últimos anos envolvido numa empreitada desafiadora: transformar em quadrinhos um dos maiores clássicos da literatura mundial, “A revolução dos bichos”.

Em tinta acrílica, fazendo com que cada página se tornasse uma verdadeira obra de arte, Odyr deu forma à narrativa de George Orwell — e a personagens antológicos como os porcos Napoleão e Bola-de-Neve.

Escrita em plena Segunda Guerra Mundial e publicada em 1945, essa breve narrativa causou desconforto ao satirizar ferozmente a ditadura stalinista numa época em que os soviéticos ainda eram aliados do Ocidente na luta contra o eixo nazifascista.

Mas não só. Mais de sessenta anos depois, “A revolução dos bichos” se tornou uma alegoria universal sobre as fraquezas humanas que levam à corrosão de grandes ideias e projetos de revolução política.

Legenda

AUTORES

George Orwell é pseudônimo de Eric Arthur Blair, que nasceu em 1903, na Índia, onde seu pai trabalhava para o império britânico, e estudou em colégios tradicionais da Inglaterra. Jornalista, crítico e romancista, é um dos mais influentes escritores do século 20, famoso pela publicação dos romances “A revolução dos bichos” (1945) e “1984” (1949). Morreu de tuberculose em 1950.

E Odyr nasceu em Pelotas, em 1967. É autor de dois livros como desenhista – “Copacabana”, com roteiro de Lobo, e “Guadalupe”, com roteiro de Angélica Freitas. Ele participou das coletâneas “Irmãos Grimm em Quadrinhos”, “Dias Negros” (Argentina) e “MSP 50”. Odyr publicou quadrinhos e ilustrações na Folha de S. Paulo, O Globo, Le Monde Diplomatique Brasil, Público (Portugal) e nas revistas Vida Simples, Trip, entre outras.

SERVIÇO

Lançada oficialmente ao final de setembro deste ano, a HQ “A revolução dos bichos” (R$ 69,9, em média) está disponível para compra nos sites das principais livrarias do país ou diretamente com a editora Companhia das Letras.