Guarapuava, 26 de agosto de 2019
Esporte

O edil Samuel da Silva Pinto (Cidadania), o Samuca, diz que articulou uma reunião entre o prefeito Cesar Silvestri Filho, a deputada estadual Cristina Silvestri e o presidente executivo do Rubro-Negro, o empresário Bernardo Feler

-

Em campo, o Batel nunca esteve tão próximo de retornar à elite do futebol paranaense. O time está prestes a estrear na fase decisiva da Divisão de Acesso e as chances são grandes de brigar pela classificação às semifinais.

Mas, extracampo, a situação é delicada. O maior investidor do Rubro-Negro na atual temporada, o empresário carioca Bernardo Feler, disse nesta semana que sua paciência chegou ao limite com a falta de apoio financeiro em Guarapuava. Ele deu um prazo de 15 dias (já em contagem) para definir se continua no projeto.

Em caso de saída, é muito provável que o Batel nem termine a Segundona, pois o plantel de jogadores e a atual estrutura são de responsabilidade de Feler, que é também presidente executivo do clube batelino. Ou seja, haveria um desmanche do time.

Na visão do vereador Samuel da Silva Pinto (Cidadania), o Samuca, o que falta é união em torno do clube guarapuavano e o apoio do empresariado local. “Acho que esse é um momento de nos unirmos e ajudar a grande paixão da nossa cidade. Está mais do que na hora dos empresários de Guarapuava ajudarem o Batel a trilhar um caminho de vitórias e assim mantermos nosso time!”, diz, em entrevista a este CORREIO.

Reunião envolveu o técnico Paulo Campos, a deputada Cristina Silvestri, o prefeito Cesar Filho, o empresário Bernardo Feler e o vereador Samuca (da esq. para a dir.) - Foto: Arquivo Pessoal/Samuca

Ele conta que, recentemente, articulou uma reunião entre o prefeito Cesar Silvestri Filho e a deputada estadual Cristina Silvestri (Cidadania) com Feler, que contou a situação do Batel. Por exemplo, o cartola informou sobre a estrutura do Estádio Waldomiro Gelinski: a falta de iluminação para jogos noturnos e a necessidade de trocar o gramado.

“Falamos sobre parceria futura e certa sobre projetos que o Batel pode desenvolver junto à Prefeitura na questão de times de base”, afirma Samuca, destacando que a administração municipal pretende ajudar, mas precisa primeiro avaliar as questões legais.

O vereador adiantou que uma nova reunião deve ser feita assim que o presidente executivo batelino retornar de uma viagem. “Porque realmente Bernardo ficar sozinho não é justo. Ele tem razão quando fala que se ficar sozinho e a cidade não abraçar não faz sentido ele ficar”, complementa o edil.

EMPRESÁRIOS

Apaixonado pelo Batel, Samuca diz que não perde um jogo do time do coração. Inclusive, ele costuma participar da torcida organizada do clube.

O vereador acredita que falta apoio de mais empresários de Guarapuava ao principal time profissional da cidade. “Acho que o guarapuavano não ia gostar de ver mais uma vez o Batel deixado de lado. Está na hora de todo mundo ajudar”, citando o torcedor, o poder público e o grande empresário.

Samuca diz ainda que está mantendo conversas com o prefeito de Guarapuava, a deputada Cristina Silvestri e o próprio Bernardo Feler. O vereador quer que as parcerias deem certo para levar o Batel à Primeira Divisão.

SEGUNDA FASE

O Batel estreia na 2ª fase do Campeonato Paranaense da 2ª Divisão neste domingo (19 maio), às 15h, no Estádio Waldomiro Gelinski, em Guarapuava. O adversário é o CE União (de Francisco Beltrão).

Os ingressos para o duelo de domingo custam R$ 20 (Arquibancada – Inteira), R$ 10 (Arquibancada - Meia Entrada), R$ 30 (Cadeira Coberta – Inteira) e R$ 15 (Cadeira Coberta - Meia Entrada).

Nessa etapa do certame, são dois grupos (com quatro times cada um) em jogos de turno e returno. Ao final, os dois times mais bem pontuados se classificarão para as semifinais.

Veja Também