Opinião

Vamos falar sobre ansiedade?

Nova colunista do CORREIO, a psicóloga Fernanda Santos estreia discutindo a ansiedade
A psicóloga Fernanda Santos (Foto: Divulgação)

Checar várias vezes as redes sociais, contar os minutos pelo final de semana, esperar pelo filme que irá estrear, sentir-se ansioso antes da apresentação de um trabalho. Quem nunca se sentiu assim, não é?

A ansiedade nem sempre é ruim, ela é considerada uma emoção humana comum e um importante mecanismo de defesa, ela pode anunciar o perigo iminente ou pode nos motivar a ações importantes, mas e quando ao contrário ela impede nossas ações e esse sentimento passa a gerar prejuízos? Uma situação simples nos paralisa ou afeta o sono, o relacionamento com outras pessoas, ou a nossa produtividade? Aí estamos falando de uma forma patológica da ansiedade, isto é, prejudicial ao nosso funcionamento psíquico (mental) e somático (corporal) e é preciso buscar ajuda.

A ansiedade é um problema de saúde pública que, segundo dados da OMS, acomete 322 milhões de pessoas no mundo, a maioria mulheres. A ansiedade afeta 9,3% (18.657.943) de pessoas no Brasil.

Afinal, o que é ansiedade?

Ansiedade é um sentimento de medo e inquietação, caracterizado por tensão ou desconforto derivado de antecipação de perigo, de algo desconhecido ou estranho. Ou seja, o medo constante de que algo ruim possa vir a acontecer. O medo funciona como um gatilho que ativa a sensação de desconforto e aflição, “a ansiedade”, evocando a sensação de que o futuro não reserva algo bom.

Os transtornos de ansiedade são divididos em vários tipos, tais como: transtorno do pânico, transtorno de ansiedade social, fobias específicas, agorafobia, transtorno de ansiedade generalizada etc. Na sua maioria eles trazem sintomas como:

- preocupação constante,

- agitação,

- sentimento de fadiga,

- dificuldade de concentração,

- irritabilidade,

- tensão muscular,

- transtorno do sono

- palpitações, taquicardia, sudorese,

- sensação de falta de ar ou sufocamento,

- medo de perder o controle ou morrer,

- medo de permanecer em espaços abertos entre outros.

A ansiedade dói, te faz desmarcar compromissos em cima da hora, perder oportunidades, se desculpar demais, achar que está sempre atrapalhando, ficar dias e dias pensando se falou algo que não devia, faz você mentir quando alguém te pergunta se está tudo bem e ela pode te impedir até mesmo de pedir ajuda.

Entender a ansiedade é o que precisamos fazer para enfrentá-la de maneira saudável.

O que fazer para amenizar a ansiedade:

-Evite fumar e beber café: a nicotina e a cafeína são os maiores estimulantes da ansiedade.

- Açúcares: o açúcar interfere no humor, você pode achar que o açúcar ajuda a relaxar, mas passado um tempo ele irá causar o efeito oposto, o consumo excessivo de açúcar pode induzir a ansiedade.

- Exercícios de respiração: relaxe, respire lentamente, concentre-se, perceba o ar entrando nos pulmões.

- Exercício físico: procure por atividades que lhe proporcionem prazer, caminhada algumas vezes por semana, natação, ou outra. A atividade física diminui a tensão, estimula o sistema imunológico, além de ser um momento para estar consigo próprio e deixar as preocupações de lado por alguns instantes.

-Música: a música é um excelente aliado para os momentos de crise, ouça uma música relaxante ou que te traz boas lembranças.

-Procure um profissional especializado: sentiu que chegou o momento de buscar ajuda e cuidar de si mesmo? Um psicólogo poderá te ajudar a reconhecer o transtorno ansioso, compreender a ansiedade, identificar a origem e as causas das crises e principalmente planejar ações que irão ajudá-lo a desenvolver competências que permitam que as emoções sejam administrada de forma muito mais assertiva e saudável.

 

******Fernanda Santos é psicóloga. Contato por e-mail ([email protected]) ou telefone - (42) 9.9924-7737 e (42) 3623-1554