Cotidiano

Unicentro: aulas podem ser suspensas a partir de 19 de março

Nesta segunda-feira (12), a Reitoria emitiu uma nota em seu site informando que o Cepe deliberou pela suspensão do calendário acadêmico, caso o governo não libere a contratação de professores colaboradores
(Foto: Ilustrativa/EBC)

A situação continua delicada na Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro), que tem campi em Guarapuava e Irati. Caso as coisas não melhorem, as aulas podem ser suspensas a partir do próximo dia 19 de março.

Tudo tem a ver com a falta de professores temporários (os chamados “colaboradores”), cuja força de trabalho é utilizada para suprir a falta de docentes efetivos (em caso de licenças ou déficit). Desde o final de 2017, a Unicentro luta pela autorização do governo do Estado para contratar colaboradores aprovados em testes seletivos.

Nesta segunda-feira (12), a Reitoria emitiu uma nota em seu site informando que o Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe) da universidade deliberou, em reunião realizada na sexta-feira (9), que “caso o governo do Paraná não autorize ainda nesta semana a contratação dos professores temporários pelo Regime Cres, o Calendário Acadêmico será suspenso a partir do dia 19 de março, com intuito de evitar ainda mais prejuízos à comunidade acadêmica da universidade”, diz a nota.

Segundo o texto, a medida foi tomada em discussão no Cepe sobre os problemas ocasionados pela falta dos professores temporários em salas de aula. “A administração da Unicentro, desde o final do ano passado, tem realizado um trabalho incessante, objetivando a autorização do governo do Paraná para as contratações e, assim, evitar transtornos pedagógicos aos cursos da instituição e aos docentes, que têm suas vidas profissionais e a sustentação financeira de suas famílias vinculadas a este contrato de trabalho com a universidade”.

A Reitoria alega que a Unicentro necessita de cerca de 10 mil horas para atividades dos professores temporários. No entanto, ainda faltam ser contratadas 3.260 horas, contabilizando 104 docentes que aguardam a autorização do governo do Paraná, atingindo todos os departamentos pedagógicos da Unicentro.

“A Reitoria da Unicentro segue realizando todos os esforços, junto ao governo, para regularizar ainda essa semana a contratação dos docentes temporários”, finaliza o texto.

CASO

Um exemplo é o curso de Comunicação Social: Habilitação em Publicidade e Propaganda (PP), que possui grande dependência de professores colaboradores. De acordo com relatos de acadêmicos, o terceiro ano do curso está tendo apenas uma disciplina ativa, das seis necessárias.

De acordo com o chefe do Departamento de Comunicação Social, Edgard Melech, cinco professores ainda não tiveram sua situação regularizada, sendo três para trabalhar exclusivamente nos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda, e dois que ficarão lotados nos departamentos de História e Filosofia.

"A situação do terceiro ano de Publicidade e Propaganda é a pior, pois dos quatro professores da turma, apenas uma está contratada. Os demais estão aguardando a efetivação dos seus contratos para assumiresm seus cargos", disse Edgard à redação do CORREIO.