Agricultura

Simpósio de Bovinocultura de Leite tem importância reconhecida na região

O evento está sendo promovido pela Comissão Técnica de Bovinocultura de Leite do Sindicato Rural, com o patrocínio e apoio de diversas entidades e empresas parceiras
(Foto: Assessoria)

O 2º Simpósio Regional de Bovinocultura de Leite teve a abertura oficial na noite desta quarta-feira (4), no Anfiteatro do Sindicato Rural de Guarapuava. Diversas autoridades, representantes de empresas, cooperativas e entidades do setor, produtores rurais e estudantes estiveram presentes na cerimônia.

O presidente do Sindicato Rural, Rodolpho Luiz Werneck Botelho, recepcionou os convidados ressaltando a importância de eventos como o simpósio para que o setor leiteiro produza cada vez mais e com maior qualidade.

O diretor financeiro da Federação de Agricultura do Estado do Paraná (Faep), João Luiz Rodrigues Biscaia, também esteve presente ao evento. “É um prazer estar mais uma vez em Guarapuava e no Sindicato Rural, na abertura de um evento tão importante para o setor leiteiro da região”, exaltou em sua fala, complementando que “é conversando e discutindo os problemas que vamos desenvolver o setor. Crise? Temos sempre, não é a última e nem a primeira. Mas são em eventos como este que nós aprendemos mais e evoluímos para vencer as dificuldades”. Biscaia ainda comentou sobre a importância do gerenciamento das propriedades. “Precisamos gerenciar a propriedade como uma empresa. Esquecer paixões, pois empresa não tem coração. Hoje existem diversos treinamentos para questão gerencial administrativa e precisamos urgentemente ir atrás deles”.

Além disso, o diretor da Faep ressaltou a importância que o leite representa para o Paraná: “O leite está presente em 100% dos municípios do nosso Estado. Somos o segundo maior produtor de leite do país, perdemos apenas para Minas Gerais”.

O vice-prefeito de Guarapuava, Itacir Vezzaro, ressaltou que o leite é uma atividade importante para a região e que a Prefeitura Municipal vem auxiliando, principalmente, os pequenos produtores com programas que visam a assistência técnica, com foco na recuperação do solo, melhorando a qualidade das pastagens; sanidade animal; e genética. “Mas, acima de tudo, precisamos ainda mais de integração, organização e planejamento de toda cadeia produtiva do leite”.