Cultura

Professor da Unicentro lança novo livro neste sábado (12)

Editado pela casa paranaense Estronho, ‘Estranha Colheita: Mutilações Humanas do Insólito’ é fruto de pesquisa de Carlos Alberto Machado. Lançamento será na Gato Preto
(Foto: Reprodução)

Mais do que credulidade, é preciso estômago para encarar “Estranha Colheita: Mutilações Humanas do Insólito”. Editado pela Estronho (R$ 65), o livro é a nova incursão do autor Carlos Alberto Machado pelo desconhecido e pelo insólito. Os casos investigados e as imagens são de arrepiar.

Professor do campus Santa Cruz da Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro), em Guarapuava, Machado mantém desde 1998 seus estudos sobre estanhos casos que desafiam a lógica cartesiana. Ele conta que tomou conhecimento da história de um homem que morreu carbonizado em 1994, e a partir daí decidiu mergulhar no assunto.

“Uma mancha branca não identificada ao redor do corpo, a queima total do corpo, mas não totalmente de suas vestes, a morte idêntica de outros animais etc. Até então tinha conhecimento de apenas um caso similar ocorrido há uma década”, explicou Machado ao CORREIO, que percebeu que não eram casos isolados.

O resultado de sua pesquisa se tornou realidade no livro editado pela Estronho (casa paranaense também afeita às publicações do insólito) e que já está disponível aos leitores. Em Guarapuava, Machado lança “Estranha Colheita: Mutilações Humanas do Insólito” neste sábado (12), a partir de 18h30, na “lojinha” de LPs e livros Gato Preto (rua Azevedo Portugal, 1.362, perto da “praça da Prefeitura”).

Livro já está disponível aos leitores

PROJETO

Machado explica que o livro é dividido em oito capítulos, nos quais demonstra inúmeros casos de mutilações humanas do insólito. Sua pesquisa envolveu o estudo de jornais, arquivos de programas de rádio e televisão, além da própria internet.

“Viajei por vários estados brasileiros e com ajuda de conhecidos fui atrás de mais informações e fiz pesquisa in loco. Entrevistei testemunhas, policiais, delegados e médicos legistas”, conta.

Segundo Machado, o livro aborda casos internacionais e nacionais, como o famigerado “Máscaras de Chumbo”, que aconteceu em 1966. De acordo com os relatos, dois homens foram encontrados mortos em Niterói, no estado do Rio de Janeiro. O curioso é que eles estavam usando máscaras de chumbo em seus rostos.

No oitavo e último capítulo, Machado teve contribuição da escritora russa Natália Dyakonova e dos pesquisadores Philipe Kling David, do Rio de Janeiro, e Pepe Chaves, de São Paulo. Eles investigam um caso de 1950 onde nove alpinistas russos morreram enquanto eram investigados pela KGB, o comitê de segurança da União Socialista Soviética.

ESCRITA

Apesar de ser um escritor de ficção científica, Machado explica que separa o joio do trigo. “Estranha Colheita” possui um aspecto mais investigativo, utilizando como base reportagens policiais. São análises de casos registrados em boletins de ocorrências e laudos da polícia brasileira e russa.

“Trata-se de fatos que estão ocorrendo bem debaixo de nossos narizes, mas muitos preferem ignorar por vários motivos”, acredita.

SERVIÇO

“Estranha Colheita: Mutilações Humanas do Insólito” é uma obra do professor e escritor Carlos Alberto Machado.

Publicado pela editora Estronho, o livro já está disponível para compra na internet.

Neste sábado (12), a partir de 18h30, a obra tem lançamento na loja Gato Preto (rua Azevedo Portugal, 1.362, próximo da “praça da Prefeitura”).