Guarapuava, 08 de dezembro de 2019
Política

De acordo com a vereadora Professora Terezinha (PT), a medida dará mais opções para a população, já que a distância entre um ponto de ônibus e outro é ‘relativamente grande’ nas vilas e bairros do município

-

Um projeto de lei da vereadora Professora Terezinha (PT) busca instituir a “Parada Segura” em Guarapuava, garantindo que mulheres, idosos e pessoas com deficiência ou pouca mobilidade física possam desembarcar do transporte coletivo em locais mais adequados.

No texto, a proposta é de que esses passageiros possam, das 21h às 6h do dia seguinte, optar por lugares mais seguros ou acessíveis para descer do ônibus, desde que o itinerário seja respeitado. “Na impossibilidade de parada no local escolhido [...], fica estabelecido o local mais próximo do indicado”, consta no PL.

A este CORREIO, Terezinha ressaltou que a ideia não deve trazer nenhum gasto à empresa responsável pelo transporte, e que atende uma demanda principalmente do público feminino.

“Eu acho que é um projeto simples, mas que traz grande benefício para a população”, afirmou, acrescentando que será uma questão de uma “boa conversa” entre as partes envolvidas.

A vereadora ressalta que o PL prevê que sejam tomadas medidas de segurança para que motoristas e passageiros não sejam colocados em risco. “A proposta não é parar em qualquer lugar. É sempre respeitando a segurança dos locais em que os ônibus possam parar, e que não tenha risco. É para que as pessoas tenham opção de descer em locais mais próximos de suas residências [nos horários previstos]”, diz.

De acordo com a parlamentar, a ideia é alterar a Lei Municipal n° 1.203/2002, que dispõe sobre o sistema de transporte coletivo na famosa “terra do lobo bravo”. “A Prefeitura precisa fazer esse encaminhado para a Pérola do Oeste, que precisa respeitar isso”.

TRECHOS

Na justificativa da proposta, a petista ressalta que já foram implantadas iniciativas semelhantes em municípios como Ponta Grossa, Londrina e Pinhais, apresentando bons resultados. A aprovação, dessa forma, busca combater furtos, roubos, agressões físicas e até mesmo estupros.

“É de conhecimento de todos que a distância entre um ponto de ônibus e outro é relativamente grande, principalmente nos bairros e vilas da nossa cidade”, aponta.

O texto também garante que deverá ser considerada a identidade de gênero autodeclarada de cada indivíduo, independentemente do que constar em documentos. “[...] sendo permitido, portanto, o desembarque de travestis e de mulheres transexuais”.

Como forma de conscientização, caberá à empresa orientar seus motoristas e fixar adesivos e cartazes em locais de visibilidade nos terminais de passageiros e nos espaços internos dos veículos.

Ainda não há previsão de quando o PL será votado, já que o texto está sendo analisado nas comissões da Câmara de Vereadores de Guarapuava.

Veja Também