Cultura

Guarapuavano desenha 2º episódio da série 'Vlad: O Empalador'

Em sua segunda colaboração à clássica revista brasileira ‘Mestres do Terror’, o desenhista guarapuavano Rafael Mateus Feliczaki dá continuidade à série ‘Vlad: O Empalador’ na edição 68
(Foto: Reprodução)

Ele está ainda mais perigoso. O príncipe Vlad chega até o fundo do poço, mas apenas para ganhar maior quilometragem no quesito maldade. Com direito a empalamento. Nem queira saber o que isso significa. Ou melhor, se tiver coragem, leia a nova aventura da série “Vlad: O Empalador” nas páginas da clássica revista “Mestres do Terror”.

Escrita por Sérgio Mhais e desenhada pelo guarapuavano Rafael Mateus Feliczaki, a história “Vlad 2 – Formas de Empalar” está presente na edição 68 da “Mestres...”, em fase de distribuição nos estados do Sul e Sudeste. Depois de ser torturado, Vlad estabelece algum tipo de relação com seu colega de prisão, um cristão que se converteu ao Islã. Mas, claro, esse convívio não caminha para um “final feliz”.

Colaborando pela segunda vez com a revista, o artista guarapuavano explica que, no segundo episódio de “Vlad”, houve mudanças no teor da série. “A arte ficou um pouco mais escura, deixando o Vlad diferente da primeira aparição. Com isso, tive de refazer muita coisa para bater com o que é esperado da revista”, diz Feliczaki, em entrevista ao CORREIO.

A primeira parte da trajetória do personagem saiu na edição 66 da “Mestres...”, no início de 2017. Naquele momento, Mhais e Feliczaki exploraram o momento em que o rebelde príncipe Vlad Dracul testemunhou o empalamento de um prisioneiro. A violência da cena marcou o jovem nobre, que depois se tornaria Vlad III, um dos maiores símbolos da resistência europeia ao Império Otomano. Ele fazia uso do empalamento (um método de tortura e execução que consistia na inserção de uma estaca pelo ânus, vagina, ou umbigo até a morte do torturado) para eliminar seus inimigos.

O guarapuavano Rafael M. Feliczaki é um dos artistas da revista (Cristiano Martinez)

Apesar do intervalo de um ano entre uma edição e outra, o guarapuavano já estava com o segundo episódio pronto há muito tempo. Inclusive, ele trabalha no desenvolvimento da terceira parte. “A ideia da arte já está bem encaminhada”.

Na avaliação de Feliczaki, o roteirista da série fez uma visão geral na abertura e, agora, no segundo capítulo, direcionou a ação para os personagens. “Esse foi um foco que tentei trabalhar na arte”.

Inclusive, o guarapuavano acredita que, no novo episódio, seu desenho teve maior fluidez. “Fiz com mais conforto e segurança. Foi uma evolução”.

EDIÇÃO

Além de “Vlad 2 – Formas de Empalar”, a “Mestres...” 68 traz ainda as HQs de “Anya, a Filha de Drácula”, por Lillo Parra e Laudo Ferreira; “Monstro de Frankenstein”, por Raul Galli; e uma HQ clássica de Rodolfo Zalla.

Mas a grande surpresa da edição é uma história inédita de Sidemar de Castro e Elmano Silva retirada do baú dos dois artistas.

Nas seções da “Mestres”, a análise de “A Metamorfose”, de Kafka, feita por Celly Borges; a “Corneta dos Leitores”; e matéria sobre o Mercado Direto de Quadrinhos.

CALAFRIO

Simultâneo à “Mestres...”, o selo Ink&Blood Comics adianta o número 59 da “Calafrio”. A nova edição traz HQs diversas com o horror zumbi no cangaço por Ivan Lima, um demônio rural por Rogério Faria e Raimundo, a série de psicopatas reais de Gian Danton narra a vida de Charles Manson ilustrada pelo paraense Fábio Vermelho; e duas HQs clássicas, na primeira o mestre Zalla narra o filme do retorno do ET à Terra e a dupla Gian e Bené Nascimento com o “Refrão de Bolero”.

Nas seções Quem é Quem detalhes da carreira do mestre Fernando Ikoma, Imagem&Ação de Sidemar de Castro comenta os 200 anos do personagem Monstro de Frankenstein, Cinecalafrio comenta os Mortos Vivos de George Romero, as crônicas do mestre Luiz Saidenberg e a participação das revistas nos eventos.

PROJETO

Tanto “Mestres do Terror” quanto “Calafrio” fazem parte de um projeto de retomada da numeração clássica dessas duas revistas brasileiras de quadrinhos que marcaram época no mercado de gibis do país.

O projeto iniciou em 2015 graças principalmente ao empreendedorismo de Daniel Saks, um aficionado por quadrinhos que recebeu das mãos do próprio Rodolfo Zalla (1931-2016) a autorização para continuar suas revistas.

SERVIÇO

A “Mestres do Terror”#68 (R$ 15) e a “Calafrio”#59 (R$ 15) podem ser adquiridas diretamente com o editor Daniel Saks via e-mail ([email protected]).