Guarapuava, 24 de junho de 2019
Esporte

Pela Série Prata, o CAD sofreu revés frente o Pitanga, em clássico regional disputado no sábado (18 maio). Já o Batel foi batido pelo CE União (de Francisco Beltrão) pela Divisão de Acesso no domingo (19 maio)

-

A semana será de cabeça quente para os torcedores guarapuavanos. Tanto em quadra quanto no campo, os representantes da cidade vêm de derrotas.

A Associação Atlética Batel e o Cresol Clube Atlético Deportivo (CAD) perderam as partidas disputadas neste fim de semana em seus respectivos campeonatos.

Pela Série Prata, o CAD sofreu revés frente o Pitanga, em clássico regional disputado no sábado (18 maio). Já o Batel foi batido pelo CE União (de Francisco Beltrão) pela Divisão de Acesso no domingo (19 maio).

Um detalhe chama atenção nessas duas derrotas. As equipes da “terra do lobo bravo” disputaram seus jogos em casa: um no Ginásio de Esportes Joaquim Prestes, o Joaquinzão; outro no Estádio Waldomiro Gelinski (WG).

Ou seja, o chamado “fator casa” não foi um diferencial para CAD e Batel. A pressão de jogar diante da torcida guarapuavana não fez diferença para o adversário.

No caso do Rubro-Negro da Baixada, pouco mais de 500 pagantes compareceram ao WG para apoiar o time na tarde de domingo. É um número inferior à média de 1,5 mil pessoas dos últimos anos. Mesmo assim, é um público que fez barulho contra o União.

Mas o problema de fato é o estado irregular do gramado, com muitos buracos cobertos por areia. Não é de hoje que jogadores, técnicos e o próprio presidente executivo do clube, Bernardo Feler, reclamam das condições do campo do Waldomiro Gelinski. Inclusive, alguns atletas costumam dizer que é mais vantajoso jogar fora de casa, quando podem usufruir de verdadeiros tapetes.

“Isso aqui é um absurdo. Você viu quantos passes nós erramos por causa do gramado? É terrível. Você jogar futebol dessa maneira é difícil”, criticou o técnico batelino Paulo Campos, após o apito final.

Claro que um gramado ruim prejudica tanto o time da casa quanto o visitante. Nesse panorama, o União levou a melhor e venceu a partida contra o Batel (2 a 0), com gols de Luan e Xavier.

Na avaliação de Campos, o resultado foi “mentiroso”, já que o time batelino teve várias chances de marcar. “O goleiro [Marcos, do União] fez grandes defesas. Infelizmente, nós não fomos competentes, felizes para abrir o placar”, disse.

TABELA

A partida entre Batel e União era válida pela 1ª rodada da 2ª fase do Campeonato Paranaense da 2ª Divisão.

No Grupo C, a equipe de Francisco Beltrão e o Apucarana Sports lideram com 3 pontos cada um. Batel e Rolândia Esporte Clube (REC) estão com zero.

Já no Grupo B, PSTC está isolado na liderança, com 3 pontos. Em 2º lugar, aparece o Nacional Atlético Clube (NAC), com 1 pt; seguido de Independente São Joseense, também com um pontinho. E, na lanterna, o Prudentópolis (zero).

Segundo o regulamento, “todos jogam contra todos” em partidas de turno/returno dentro de seus respectivos grupos. Ao final, os dois melhores pontuados de cada chave avançam para as semifinais.

FUTSAL

No sábado (18 maio), em seus domínios o CAD perdeu de 3 a 2 para o Pitanga, pela 9ª rodada do 1º turno do Campeonato Paranaense da Série Prata.

Justiça seja feita: é a primeira vez que o Time de Guerreiros sofre derrota no Joaquinzão em jogos oficiais na temporada.

Com o resultado, o CAD caiu para a 10ª posição na tabela, empatando com a equipe do Ítalo Norte/F. Beltrão (5 pontos cada).

O próximo jogo do time guarapuavano é fora de casa, contra o São Miguel, no sábado (25 maio).

Veja Também