Guarapuava, 22 de outubro de 2019
Segurança

Angélica Aparecida Chuede é a primeira mulher a fazer parte da Companhia de Operações com Cães (COC) do Batalhão de Operações Especiais (Bope)

-

A soldado Angélica Aparecida Chuede é a primeira mulher a fazer parte da Companhia de Operações com Cães (COC) do Batalhão de Operações Especiais (Bope). A inclusão de Chuede aconteceu após fazer um estágio na unidade, onde fez todas as etapas com seu cão Hunter.

Chuede cursou Medicina Veterinária e chegou a trabalhar na área, mas quando passou no concurso da Polícia Militar não perdeu tempo e largou a profissão. Depois da etapa de formação, em 2015, foi trabalhar em União da Vitória pelo 27º Batalhão. Mais tarde, surgiu o desejo de buscar algo a mais, desta vez ingressando no Bope.

Quando chegou a oportunidade para participar do processo seletivo, foi liberada para passar pelo novo desafio. Foram 35 dias de estágio em todas as subunidades do Bope, e somente no COC foram mais 60 dias, com atuação voltada exclusivamente à cinotecnia. “Na conclusão do estágio ela teve uma das melhores notas dos últimos tempos”, disse o capitão Zancan.

Além da preparação de Chuede, também houve o treinamento ao cão dela, o pastor-holandês Hunter, que tem aproximadamente um ano. O capitão disse que cachorro tem desempenhado bem as atividades e tem tudo para ser um ótimo cão de faro. “Ele apresenta todas as características que precisamos para o trabalho, e ao lado da soldado Chuede trará bons resultados à Polícia Militar”, afirmou.

CÃO

O emprego do cão no serviço policial é o resultado da parceria entre animal e ser humano que se estabeleceu há séculos. Em tempos de guerra ou paz, o cão sempre esteve presente nas mais diferentes camadas sociais e civilizações e hoje continua sendo o melhor amigo do homem.

Na segurança pública isso é evidente pelo trabalho desenvolvido pela Companhia de Operações com Cães (COC) do Bope e pelos canis setoriais de outras unidades operacionais da PM de todo o Estado.

Em muitas situações, o emprego do cão de faro é decisivo para que drogas, armas e outros materiais ilegais sejam encontrados. As capacidades naturais do cão em detectar substâncias e objetos desafia a capacidade do ser humano em camuflar objetos e despistar os policiais militares durante abordagens e revistas.

O combate ao tráfico de drogas é a área em que os cães da Polícia Militar mais se destacam diante do grande volume de drogas apreendidas.

Chuede cursou Medicina Veterinária e chegou a trabalhar na área, mas quando passou no concurso da Polícia Militar não perdeu tempo e largou a profissão (Foto: Soldado Amanda Morais)

A inclusão de Chuede aconteceu após fazer um estágio na unidade, onde fez todas as etapas com seu cão Hunter Mas para que o cão tenha plena capacidade de aplicação policial, há um rigoroso adestramento que se inicia desde o nascimento. O capitão Zancan explica que os filhotes são separados e analisados um a um, verificando se possuem aptidão para o trabalho. Depois, inicia-se a fase de adestramento com o cinotécnico (policial militar especializado em ações com cães).

Durante o treinamento é que se descobre qual a aptidão para desempenhar missões específicas, e a partir daí a formação é moldada de acordo com a especificidade.

A doutrina cinotécnica do COC é difundida entre os canis setoriais das demais unidades operacionais da PM. Unidades especializadas como o Batalhão de Polícia de Fronteira (BPFron) e do Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRv) também possuem cães que são usados no combate ao narcotráfico, contrabando entre outros.

Veja Também