Guarapuava, 21 de fevereiro de 2020
Esporte

Em julgamento realizado nesta quinta-feira (13), no Rio de Janeiro, o Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol (STJD) acolheu pedido da defesa batelina

-

A Associação Atlética Batel teve um desfecho feliz no tribunal.

Depois de enfrentar uma verdadeira via-crúcis para se inscrever na edição 2020 do Campeonato Paranaense da Segunda Divisão, a popular Divisão de Acesso, o tradicional clube de Guarapuava pode comemorar.

Em julgamento realizado nesta quinta-feira (13), no Rio de Janeiro, o Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol (STJD) acolheu pedido da defesa batelina.

“O clube recorreu do direito à inscrição no Campeonato Paranaense, a Segunda Divisão. E o STJD, por unanimidade - nove votos a zero -, acolheu o pedido do clube e deferiu o nosso pedido. Ou seja, aceitou o nosso pedido e o Batel vai participar da Segunda Divisão do campeonato, bem como no Sub-19”, diz a 1ª tesoureira da diretoria batelina, Kelen Daiane Ramos de Siqueira.

No site do STJD, consta o resultado do julgamento no Tribunal Pleno do processo 020/2020, cujo recorrente é AA Batel. “Por unanimidade de votos conheceu-se do recurso da AA Batel para no mérito dar-lhe provimento, mantendo o clube inscrito no Campeonato Paranaense da Segunda Divisão 2020, anulando a decisão do presidente da Federação Paranaense de indeferir a inscrição do recorrente”.

Segundo ela, o Rubro-Negro da Baixada começa os preparativos para montagem do elenco e da equipe. “O Rocha, que é o diretor de futebol, já estará na segunda-feira em reunião com um investidor”.

Siqueira aproveita para agradecer a todos os batelinos que estavam na torcida para que tudo desse certo com o clube, único representante de Guarapuava no futebol profissional do Estado. Ela também destaca o apoio financeiro de empresários e parceiros, pois todo esse processo jurídico teve custos. “Somos bem gratos”.

Agora, segundo a tesoureira, começa uma nova etapa na vida do Batel. “Precisaremos da ajuda de todos, porque não é fácil, tem custos”, ressaltando que todo esforço será necessário para que o Batel possa disputar e fazer um belo campeonato em 2020.

ENTENDA

O problema do Batel começou na penúltima semana de janeiro de 2020, quando o Rubro-Negro da Baixada tentou fazer sua pré-inscrição no arbitral, mas não conseguiu pagar o boleto de taxa da Federação Paranaense de Futebol (FPF). Era uma espécie de alvará.

À época, a 1ª tesoureira Kelen Daiane Ramos de Siqueira explicou que ela tentou de todas as formas efetuar o pagamento; mas sem sucesso.

Como o prazo expirou, o Batel teve sua inscrição indeferida, sendo impedido de participar do arbitral e, consequentemente, da Divisão de Acesso de 2020. Nesse cenário, o clube teria como pior sanção o rebaixamento automático para a Terceira Divisão.

No entanto, o Tribunal de Justiça Desportiva do Paraná (TJD-PR) concedeu uma limitar que permitiu a participação do Batel no arbitral da Divisão de Acesso 2020, realizado no dia 23 de janeiro. Uma solução temporária.

No dia 30 de janeiro, em Curitiba, o mesmo Tribunal analisou o mandado de garantia - em recurso, que fora impetrado pelo Batel. O resultado: “por unanimidade de votos negam provimento ao mandado de garantia”.

Assim, o Batel foi até a instância superior, que é o STJD.

Veja Também