Cultura

Banda Ira! apresenta antigos hits e 'pérolas' em versões folk no novo DVD

A banda paulistana ‘despe’ suas conhecidas canções roqueiras em versão ‘voz e violão’ para o show de seu DVD. O material conta ainda com as participações especiais de Yamandu Costa e Fernanda Takai
(Foto: Divulgação)

Antes dos clássicos versos “Só depois de muito tempo fui entender aquele homem/Eu queria ouvir muito, mas ele me disse pouco”, um empolgado “duelo” de cordas entre Edgard Scandurra e Yamandu Costa. À ação do aço na mão esquerda do guitarrista, o violonista tirou caprichadas notas nas cordas de nylon.

A inspirada introdução de “Dias de Luta” é provavelmente o grande momento do show “Ira! Folk”, recém-lançado no formato de DVD. Gravado em 11 de março de 2017 diante de uma plateia cativa no Citibank Hall, em São Paulo, o material resulta da turnê “banquinho e violão” da banda paulistana Ira! ao longo de um ano.

Únicos remanescentes da formação original, Nasi (voz) e Edgard Scandurra (guitarra e voz) têm apostado no formato folk para teatros e casas menores. Misto de acústico com alguns instrumentos elétricos, esse projeto “despe” as conhecidas canções do Ira! em versões apenas com voz, violões, baixolão (espécie de contrabaixo acústico) e piano.

Nessa proposta, a dupla Nasi/Scandurra se esforça em apresentar a essência de músicas com mais de 30 anos de história: “Mudança de Comportamento”, “Envelheço na Cidade”, “Núcleo Base”, entre outras.

É o caso, por exemplo, da própria “Dias de Luta”. Na versão folk, essa canção perdeu o peso e o punk daquele famoso riff introdutório (“tan tan tan tan, tantan... tan tan tan tan, tantan...”), que é adorado pelos fãs da banda. Mas ganhou em virtuosismo e novas tonalidades no “duelo” entre Scandurra e Yamandu.

Show foi gravado em SP (Reprodução)

REPERTÓRIO

Outro achado do novo DVD do Ira! foi resgatar músicas do labo B de seu repertório, fugindo um pouco das obviedades. Um bom exemplo é “Mesmo Distante”, composição de Scandurra gravada em “Psicoacústica” (1988). Última faixa desse histórico disco, era um trabalho pouco conhecido do grande público.

Aliás, a dupla do Ira! ainda aproveitou a experimental “Rubro Zorro” e o reggae “Receita para se fazer um herói” desse LP que completa 30 anos de história em 2018.

Nessa linha de “obscuridades”, a banda cavou fundo e apareceu com uma versão folk de “Perigo”, composição de Scandurra e Arnaldo Antunes. O material apareceu pela primeira vez em “Música Calma para Pessoas Nervosas” (1993).

Do álbum de estreia, “Mudança de Comportamento” (1985), foram três composições: a faixa-título, “Núcleo Base” e “Tolices”. Já de “Vivendo e não aprendendo” (1986): “Envelheço na Cidade”, “Dias de Luta”, “Flores em Você” e “Quinze Anos”.

ACÚSTICO

Na verdade, “Ira! Folk” é uma espécie de desdobramento do “Acústico MTV” (2004), talvez o maior sucesso comercial da trajetória da banda. Naquela época, a banda paulistana ainda tinha Ricardo Gaspa (baixo) e André Jung (bateria) naquela formação mais conhecida do grande público. Lembrando que nos primórdios da banda, nos anos de 1980, Nasi e Scandurra contavam com outros músicos nas fileiras do Ira! (caso, por exemplo, de Charles Gavin, que depois foi para os Titãs).

Cercado de percussão e cordas, esse acústico de 2004 também despiu as conhecidas músicas da banda e tirou do limbo pérolas como “O Girassol” (de “7”, lançado em 1996) e “Tarde Vazia” (de “Clandestino”, lançado em 1990).

Não por sinal, o DVD folk apresenta novas versões dessas duas composições. Sem contar “Flerte Fatal”, também do “Acústico MTV”.

PARTICIPAÇÕES

Além do violão de Yamandu Costa, “Ira! Folk” ainda tem a participação especial de Fernanda Takai (vocalista do Pato Fu) nas faixas “Telefone”, da oitentista banda Gang 90 & Absurdettes; e “Tolices”.

Curiosamente, Fernanda já havia emprestado sua voz para “Telefone”, no álbum do Ira! “Isso é Amor” (1999), e o próprio Pato Fu fez uma versão eletrônica de “Tolices” no disco “Ruído Rosa” (2001).

Scandurra e Nasi são os remanescentes da formação original (Assessoria)

BASE

Na banda de apoio a Nasi e Scandurra, o projeto folk conta com Daniel Scandurra (baixolão), que é filho do guitarrista canhoto; e Johnny Boy Chaves (piano e violão), velho conhecido do Ira! e um dos ícones do rock brasileiro.

HISTÓRIA

Formado em 1981, o Ira! gravou 12 discos de estúdio (incluindo um compacto) e dois álbuns ao vivo até a sua dissolução em 2007. Seis anos depois, Nasi e Edgard Scandurra reataram a amizade musical e a banda retornou com novos integrantes de apoio, em turnê pelo Brasil a partir de 2014.

O DVD “Ira! Folk” é o primeiro registro da nova fase. O material (R$ 33,9) pode ser adquirido em sites de livrarias.

 

O 'duelo' entre Scandurra e Yamandu