Cultura

Acolhidos da ‘Proteger’ são destaques na Orquestra de Câmara

No último domingo (22), a orquestra tocou pela primeira vez no Teatro Municipal de Guarapuava. E as crianças da fundação apresentaram ‘Asa Branca’
(Foto: Secom/Prefeitura)

O projeto Amusca, da Secretaria de Educação e Cultura, está integrando os jovens das casas de acolhimento da Fundação Proteger para a formação da Orquestra de Câmara de Guarapuava. O objetivo é dar oportunidade para as crianças e adolescentes ingressarem no mundo da música.

“Esse projeto é uma possibilidade de apresentar cultura e música para nossas crianças. Geralmente, o meio e contexto que elas estão inseridas as impedem de participar de atividades como esta, por isso, fazemos questão de colocá-las em contato com cultura, música e mercado do trabalho”, afirmou a presidente da Fundação, Lidiane de Cassia Martins Andrade Vatrin.

O maestro Oriel Bezerra destaca a importância do trabalho com as crianças e adolescentes guarapuavanos. “A música é um instrumento de transformação na vida de todos que a praticam. Ela melhora a coordenação motora e a concentração. Já são 16 musicistas formados”, afirma Oriel, que começou dando as aulas nas casas de acolhimento e, posteriormente, juntou os acolhidos com os jovens do Amusca para formar a Orquestra de Câmara de Guarapuava, que completa dois anos de formação.

No último domingo (22), a Orquestra de Câmara de Guarapuava tocou pela primeira vez no Teatro Municipal de Guarapuava. Com um repertório completo de música clássica, a apresentação lotou o espaço. O público prestigiou obras de Vivaldi, Tchaikovski, Haydn e Shostakovich. As crianças da Fundação Proteger apresentaram a canção “Asa Branca” com flautas.