Guarapuava, 13 de outubro de 2019
#curta!

Há 30 anos, o ator Jack Nicholson se notabilizou pela interpretação maneirista do Coringa no filme “Batman” (1989). Nada melhor do que relembrar sua atuação em um momento de estreia de “Coringa”, com Joaquin Phoenix no papel principal

-

Como bom bandido que é, o Coringa já roubou a cena em pelo menos duas ocasiões no cinema.

Uma delas ocorreu em 2008, na segunda parte da trilogia dirigida por Christopher Nolan. O filme só é o que é graças à impactante atuação de Heath Ledger na pele do arqui-inimigo do Cavaleiro das Trevas.

No entanto, antes dessa aparição visceral do vilão, o ator Jack Nicholson já havia roubado não só uma cena, mas todo um filme na versão feita por Tim Burton nos anos de 1980.

Às vésperas da estreia do longa-metragem “Coringa” (2019), é bom relembrar “Batman” (1989), que completa em 2019 os 30 anos de seu lançamento. Naquela época, foi um filme que abriu novamente o caminho para o sucesso das produções baseadas em quadrinhos de super-herói. Sem a boa recepção do longa estrelado pelo Homem-Morcego, talvez não teríamos hoje o Universo Cinematográfico Marvel ou mesmo a trilogia do Homem-Aranha dos anos 2000 e a franquia dos X-Men.

Apesar da importância atual do “Batman” de Burton, na virada dos anos 80 para os 90 esse filme foi muito contestado pelos fãs mais radicais das HQs. Naquele momento, ninguém conseguiu engolir Michael Keaton sob o capuz do Homem-Morcego.

Até então um mero galã de filmes de comédia e romances, Keaton foi rejeitado logo de cara para o papel principal. Muitos o consideravam de estatura baixa ou de limitações dramáticas para a empreitada. Mesmo assim, o cara foi lá e fez o seu icônico Batman, para o bem e para o mal - curiosamente, tanto Keaton quanto Burton participaram de “Batman – O Retorno” (1992).

Independentemente do ator vestido de herói, quem roubou mesmo a cena (e o filme) foi Jack Nicholson, com sua interpretação clown do vilão Coringa.

PALHAÇO

O enredo do filme de 1989 se passa em Gotham City, cidade em que o milionário Bruce Wayne (Michael Keaton) sai às ruas como o mascarado Batman para enfrentar o crime.

Mas um novo vilão surge para complicar as coisas: o Coringa (Jack Nicholson), que começa a controlar o submundo de Gotham.

Antes de entrar em cena, o vilão havia caído acidentalmente em uma espécie de caldeira com produtos químicos, tornando-se deformado e louco. Ou seja, ele deixa de ser um bandido de quinta categoria para se tornar a pedra no sapato (ou melhor, bota) do Batman.

Com roupas coloridas e maneirismos, o Coringa é uma espécie de palhaço inconsequente, que quer transformar tudo numa grande piada mortal. Ele funciona como um interessante contraponto ao sombrio herói: colorido, desbocado, psicopata e rebelde.

É uma espécie de atualização do Coringa vivido por Cesar Romero na série “Batman” dos anos de 1960. Mas ao invés do humor camp daquela época, Nicholson injeta violência e insanidade nos anos de 1980, indo até as últimas consequências.

Colorido, desbocado e rebelde. O Coringa de Jack Nicholson era a antítese do Batman de Michael Keaton no filme de Tim Burton (Foto: Divulgação)

CAVALEIRO

Durante muito tempo, o Coringa de Nicholson parecia a interpretação definitiva do Coringa no cinema. Mas aí apareceu a versão mais psicótica e doida de Heath Ledger em 2008, no filme “Batman – O Cavaleiro das Trevas”.

Com muita propriedade, o ator (que morreu poucos meses após o término das filmagens) descobriu um modo particular de atuar sob a maquiagem que definiu o personagem. Sua figura em cena é incrivelmente assustadora e cativante.

Na verdade, o surgimento de uma nova forma de encarnar o vilão apenas dividiu os fãs de gerações diferentes, que passaram a eleger seu Coringa preferido entre as produções de 1989 e 2008.

PRESENTE

Por isso, criou-se grande expectativa com os primeiros trailers de “Coringa” (2019), filme dirigido por Todd Phillips. O irascível ator Joaquin Phoenix tem causado frisson pelo modo como veste o personagem, em uma narrativa que conta as origens do vilão.

O novo longa-metragem tem pré-estreia nesta quarta-feira (2 outubro) em Guarapuava, com sessão às 21h30 (legendado) no circuito comercial de cinema. No dia seguinte, o filme entra em cartaz, com horário às 16h30, 17h30 e 19h (dublado); 20h e 21h30 (legendado).

Veja Também