Guarapuava, 23 de maio de 2019
Agricultura

As 13 famílias que vivem no local, em Reserva do Iguaçu, começaram a participar do Família Paranaense e receber incentivos para investir na agricultura familiar

-

A ação conjunta entre o programa Família Paranaense, a Emater e o município de Reserva do Iguaçu, no Centro-Sul do Estado, mudou a vida de moradores do Quilombo Paiol de Telha-Fundão. As famílias que se encaixavam nos critérios do Família Paranaense foram selecionadas para ingressar no Renda Agricultor, benefício que faz parte do programa e é direcionado às pessoas em situação de vulnerabilidade na área rural.

O Família Paranaense é um dos programas coordenados pela Secretaria da Justiça, Família e Trabalho para combater as vulnerabilidades sociais. O programa envolve uma série de secretarias estaduais. O projeto Renda Agricultor envolve a Secretaria da Agricultura e do Abastecimento.

AGROINDÚSTRIA

O atendimento às famílias da comunidade nasceu de um projeto de agroindústria para o quilombo, que previa diversas atividades, como plantação e cultivo de sementes, construção de estufas e aquisição de animais. Foi aí que entrou a participação do Renda Agricultor.

O projeto de agroindústria, desenvolvido pela Associação Quilombola Invernada Paiol de Telha-Fundão, em parceria com outras instituições, levou ao acompanhamento das famílias que vivem na região e ao desenvolvimento das potencialidades de cada uma.

Claudia Senchechen, professora e uma das idealizadoras do projeto de agroindústria, explica que, com o reconhecimento do quilombo, foi desenvolvida a recuperação das histórias e das memórias dessas famílias. Nascia, assim, o cultivo de pimentas na comunidade. “Por causa desse projeto, fomos desenvolvendo parcerias, como o Família Paranaense. Todas as famílias estão envolvidas, de alguma forma, no projeto de agroindústria. Os avanços foram muito significativos” conta.

RECURSOS

Na primeira fase do programa Renda Agricultor, 13 famílias passaram a receber recursos para desenvolver algumas atividades, como sistema de captação de água; construção de galinheiro; aquisição de animais; construção de estufa e pocilga; além da aquisição de equipamentos para panificação.

Cada família recebe um recurso de R$ 2 mil a R$ 3 mil, para ser investido em um projeto pré-definido, junto com um técnico da Emater. Desde que o programa foi implementado no quilombo, já foram repassados R$ 24 mil às famílias.

ESTUFA

Foi com o auxílio do programa que o casal Lenoir Carlos dos Santos e Leonilda Aparecida Gonçalves conseguiram obter renda para o sustento deles e da filha. Eles usaram a primeira parcela do Renda Agricultor para montar uma estufa. Agora, eles cultivam tomate, alface, mostarda e repolho.

Com a segunda parcela do programa, eles montaram um galinheiro. O investimento para a compra de galinhas veio da própria venda dos produtos da horta. “Hoje, nós vedemos para três restaurantes. O Renda Agricultor me trouxe um dinheiro para a gente se manter dentro da própria comunidade”, conta o agricultor.

A agricultora Cleuzi de Fátima dos Santos conseguiu renda por meio do Renda Agricultor. Com os recursos do programa, ela também montou uma estuda e passou a produzir alface, repolho, tomate, cenoura, beterraba e couve-flor. “Entregamos para mercados e restaurantes e vendemos de porta em porta. Aumentou a renda da família e hoje eu consigo comprar coisas para os meus quatro filhos”, ressalta.

QUALIDADE DE VIDA

A coordenadora do programa Família Paranaense, Letícia Reis, destaca que as famílias acompanhadas tiveram melhorias na qualidade de vida. “Além de alcançarmos uma comunidade que vive em uma região rural, o que já é positivo, fizemos com que conseguissem acesso à renda por meio do desenvolvimento das potencialidades de cada família. Nesse legado, a parceria da Emater foi fundamental”, destacou a coordenadora.

O aumento da produtividade veio também por meio da pecuária. Cinco famílias do quilombo utilizaram os recursos do Renda Agricultor para a compra de vacas leiteiras e um triturador de milho.

Na produção do leite, o reforço veio por meio da doação, pela prefeitura de Reserva de Iguaçu, de um resfriador. Por mês, são produzidos 2.400 litros, que agora serão vendidos à Cooperativa de Leite da Agricultura Familiar de Reserva do Iguaçu.

O técnico da Emater que desenvolve as atividades no local, Dilcinei Baitel, explica que o equipamento ajudará na produtividade do quilombo. “A expectativa é que, com o aumento da produtividade e de famílias na atividade, a comunidade passe a produzir cerca de 200 litros por dia”, explica.

ATENDIMENTO

No município, 49 famílias já foram atendidas pelo Renda Agricultor, com um repasse que chega a R$ 88 mil. Em todo o Estado, mais de quatro mil famílias já receberam recursos e desenvolveram projetos que trouxeram melhorias para o pequeno agricultor.

JUSTIÇA SOCIAL

Para o secretário Ney Leprevost, o programa é uma forma de levar dignidade e condições de vida às famílias carentes do estado. “Por meio do Família Paranaense nós levamos saúde, abastecimento e cidadania para aquelas pessoas que estão mais necessitadas, além de empregabilidade”, diz o secretário.

“A diminuição da desigualdade só se dará com trabalho incessante e um aprofundamento dos nossos programas sociais, além de investimento em políticas públicas educacionais, habitacionais, de saúde e de capacitação para o trabalho”, ressalta.

Veja Também